Relatório de Projetos Sociais

IMAmt – Instituto Mato-grossense do Algodão
Relatório de Projetos de Responsabilidade Socioambiental – 1998 a 2009

O relatório a seguir apresenta uma breve síntese descritiva dos principais projetos socioambientais desenvolvidos pelo IMAmt, classificados nas seguintes áreas:

  • agricultura familiar
  • confecção
  • educação e pesquisa
  • obras e infraestrutura
  • preservação ambiental

Embora, a AMPA – Associação Matogrossense dos Produtores de Algodão tenha fundado o IMAmt apenas em 2007, o relatório relaciona os investimentos realizados desde 1998. O objetivo é, além de prestar contas, demonstrar o trabalho já realizado, a contribuição do setor produtivo algodoeiro à evolução da tecnologia para a área e, mais do que isso, o amadurecimento do setor em relação à responsabilidade social .

Os resultados proporcionados pela realização dos projetos são os mais abrangentes e envolvem uma significativa mudança de realidade para pequenos agricultores de várias localidades do Estado, para os grandes produtores de algodão e as entidades que os representam e, de forma muito especial, para a economia de Mato Grosso – que, graças aos esforços do setor se tornou o maior produtor de algodão do país, com qualidade técnica e social comprovadas.

Lista de Projetos por ano

Educação e Pesquisa

 

Prazo: 1/06/2009 à 31/12/2009
Situação do projeto: Ativo
Realizador: IMA
Parceiros: Facual 
 
Contexto: O presente projeto tem por objetivo iniciação de pesquisas e desenvolvimento profissional, de iniciativa do LAR MENINO JESUS, a ser implementado na “Escola Agropecuária Cidades dos Meninos”, entidade educacional mantida por doações e convênios, para a capacitação de alunos de baixa renda nos serviços de profissionalização agropecuária. O projeto visa iniciar atividades de pesquisa em diversas áreas de atuação agropecuária em nossa escola, no intuito de formar alunos capacitados para atuar na área da ciência. 
 
Público alvo: Fundação Lar do Menino Jesus
 
Equipe: Padre Magno Guilherme Angeli 
 
Local: Açailândia 
Educação e Pesquisa

 

Data de início: 03/2008
Situação do projeto: Inativo
Realizador: Secretaria de Ação e Promoção Social de Campo Verde
Parceiros: IDG (Índice de Gestão Descentralizada do Governo Federal) e Facual
 
Descrição: Em parceria com a  Prefeitura Municipal de Campo Verde, através de Secretaria Municipal de Ação e Promoção Social foram desenvolvidos cursos e treinamentos com o objetivo de promover a qualificação profissional de trabalhadores desempregados. O propósito é  elevar o nível de formação dos trabalhadores a fim de contribuir para a sua independência financeira, dignidade, satisfação, auto-estima, como forma de assumirem efetivamente o  sustento de suas famílias. 
 
A execução do projeto permitiu a divulgação da história da cultura do algodão, a qualificação profissional de trabalhadoras, a geração de emprego renda, bem como a elevação da qualidade de vida de seus familiares.
 
Promove a inclusão social e a geração de emprego e renda para mulheres (mães chefes de família), que se encontram em situação de vulnerabilidade sócio-econômica e são beneficiárias do programa bolsa família. 
 
Beneficiários: 30 mulheres de famílias que recebem o bolsa família
 
Local: Campo Verde
 
Atividades desenvolvidas
• Curso de confecção de bonecas de pano
• Produção artesanal de bonecas de pano
Educação e Pesquisa

 

Data de início: 02/05/2008 a 30/04/2009
Situação do projeto: Inativo
Parceiros: Facual
 
Objetivos
– Desenvolver a educação profissional em articulação com o ensino médio de forma a atender a situações específicas ligadas ao desenvolvimento local e regional;
– Formação de técnicos em agricultura aptos a atuarem como agentes no setor produtivo agrícola, com capacidade para desenvolver ações ligadas ao agronegócio, considerando as diferentes fases da cadeia produtiva vegetal e do processamento de produtos agropecuários; 
– Oferece aos alunos oportunidades para construção de competência profissional, na perspectiva do mundo da produção e do trabalho, bem como do sistema educativo; 
– Desenvolve competências e habilidades para que o cidadão desempenhe eficazmente as atividades na exploração agrícola, determinando tecnologias economicamente viáveis às necessidades da região, atuando crítica e ativamente como líder e transformador do meio cultural, social e econômico; 
– Evidencia ao Técnico em Agricultura a predominância e importância da agricultura no cenário atual, o dinamismo desta e a integração das tecnologias empregadas na produção vegetal;
– Oferece cursos de qualificação profissional aos produtores e trabalhadores rurais da região de abrangência do Centro.
– Desenvolve pesquisas em diversas cultivares agrícolas, desde que permitidas em nossa legislação, para obtenção de conhecimento cientifico e aprimoramento profissional de seus alunos.
Agricultura Familiar

 

Prazo: 31 de outubro 2008 a 30 novembro 2009
Situação do projeto: Ativo
Realizador: Facual
Parceiros: Facual
 
Descrição: Com a consolidação da cotonicultura de alta tecnologia nos últimos anos, a agricultura familiar foi reduzindo suas áreas de plantio, fato que causou grande desemprego no campo, gerou êxodo rural e, consequentemente, a melhoria de qualidade de vida, pois apresenta enorme potencial de agregação de valor, consequentemente mantém as famílias no campo. Esta cultura poderá ser importante para o MT, onde existem mais de 400 assentamentos rurais espalhados em diversas regiões do estado, abrangendo aproximadamente 83.000 mil famílias; acrescenta-se a este contingente de pessoas as comunidades tradicionais localizadas em áreas de colonização antiga. Estes pequenos agricultores são carentes de opções que viabilizem a sua permanência na propriedade, garantindo-lhes o sustento e bem estar.
Por outro lado, a sustentabilidade das atividades na pequena propriedade está atrelada a vários fatores de produção como clima, manejo de solo, pragas e doenças, cultivares adaptadas, controle de qualidade, dentre outros, além de sólidos processos de organização de produtores, e canais de comercialização.
Partindo do princípio de que somente os próprios agricultores podem promover o seu desenvolvimento, e que outros agentes (pesquisa, extensão rural, ONG’S, etc.) ou fatores (educação, fertilidade do solo, etc.) apenas podem contribuir para que eles o façam, este programa contem um componente muito forte de transferência de tecnologia de capacitação e de fomento acoplados à planta física.  A expectativa é despertar nesses produtores a vontade de fazer (querer), ao mesmo tempo em que demonstra como fazer (saber) para que os outros possam solucionar seus próprios problemas, na busca da sustentabilidade das suas famílias. 
O projeto teve como objetivo principal, dar continuidade no processo que busca viabilizar a cultura do algodão, em nível de agricultura familiar, em Mato Grosso, acompanhando o processo organizacional das cooperativas, localizadas em dois pólos produtivos, detentoras de duas unidades beneficiadoras de algodão implantada, da ênfase a capacitação de produtores, com uma assistência técnica de qualidade. Desta forma poder estruturar o processo produtivo, da organização até a comercialização.
Este projeto é continuidade de um processo que incentiva a produção do algodão na agricultura familiar, objetivando melhorar a qualidade de vida do pequeno produtor rural e promover o desenvolvimento sustentável das comunidades locais, gerando renda aos agricultores familiares, e melhorando a sustentabilidade das propriedades, utilizando a cultura do algodão como parte dos arranjos produtivos locais.
 
Público alvo: 400 assentamentos rurais no interior de Mato Grosso
 
Beneficiários: 83.000 mil famílias
 
Local: Interior de Mato Grosso
Agricultura Familiar

 

Prazo: 31 de outubro 2008 a 30 novembro 2009
Situação do projeto: Ativo
Realizador: Facual
Parceiros: Facual
 
Contexto: Com a consolidação da cotonicultura de alta tecnologia nos últimos anos, a agricultura familiar foi reduzindo suas áreas de plantio, fato que causou grande desemprego no campo, gerou êxodo rural e, consequentemente, a melhoria de qualidade de vida, pois apresenta enorme potencial de agregação de valor, consequentemente mantém as famílias no campo. Esta cultura poderá ser importante para o MT, onde existem mais de 400 assentamentos rurais espalhados em diversas regiões do estado, abrangendo aproximadamente 83.000 mil famílias; acrescenta-se a este contingente de pessoas as comunidades tradicionais localizadas em áreas de colonização antiga. Estes pequenos agricultores são carentes de opções que viabilizem a sua permanência na propriedade, garantindo-lhes o sustento e bem estar.
 
Por outro lado, a sustentabilidade das atividades na pequena propriedade está atrelada a vários fatores de produção como clima, manejo de solo, pragas e doenças, cultivares adaptadas, controle de qualidade, dentre outros, além de sólidos processos de organização de produtores e canais de comercialização.
 
Partindo do princípio de que somente os próprios agricultores podem promover o seu desenvolvimento e que outros agentes (pesquisa, extensão rural, ONGs, etc.) ou fatores (educação, fertilidade do solo, etc.) apenas podem contribuir para que eles o façam, este programa contém um componente muito forte de transferência de tecnologia de capacitação e de fomento acoplados à planta física.  A expectativa é despertar nesses produtores a vontade de fazer (querer), ao mesmo tempo em que demonstra como fazer (saber) para que os outros possam solucionar seus próprios problemas, na busca da sustentabilidade das suas famílias. 
 
O projeto teve como objetivo principal dar continuidade no processo que busca viabilizar a cultura do algodão, em nível de agricultura familiar, em Mato Grosso, acompanhando o processo organizacional das cooperativas, localizadas em dois pólos produtivos, detentoras de duas unidades beneficiadoras de algodão implantadas. Dar ênfase a capacitação de produtores, com uma assistência técnica de qualidade. Desta forma poder estruturar o processo produtivo, da organização até a comercialização.
 
Descrição: Este projeto é continuidade de um processo que incentiva a produção do algodão na agricultura familiar, objetivando melhorar a qualidade de vida do pequeno produtor rural e promover o desenvolvimento sustentável das comunidades locais, gerando renda aos agricultores familiares e melhorando a sustentabilidade das propriedades, utilizando a cultura do algodão como parte dos arranjos produtivos locais.
 
Público alvo: 400 assentamentos rurais no interior de Mato Grosso
 
Beneficiários: 83 mil famílias
 
Local: Interior de Mato Grosso
Agricultura Familiar

 

Prazo: fev 2008 a dez 2009
Situação do projeto: Ativo
Realizador: Fetagri
Parceiros: Fetagri-MT / Facual / Sebrae
 
Contexto: os agricultores familiares, ligados a Cooperativa Agropecuária de Nova Guarita – Cooperalgo, passando por dificuldades no que se refere à comercialização de parte da produção do algodão, safra 07/08, fato este que está ocasionando um problema social e econômico, pois vários agricultores familiares passam por dificuldades de manterem suas propriedades.
Descrição: apoio à comercialização do algodão dos agricultores familiares, ligados à Cooperalgo, que enfrentam dificuldade na comercialização, gerando assim problemas para a manutenção das suas propriedades.
Público alvo: agricultores familiares, ligados a Cooperalgo.
 
Equipe/Responsável: Adão da Silva – Presidente em exercício
 
Local: Nova Guarita
 
Fonte: FACUAL
Confecção

 

Prazo: 05/09/2007 a 31/12/2008
Situação do projeto: Inativo  
Realizador:  Associação Pró Trabalho e Renda – APRT
Parceiros: Ima e Facual
 
Descrição: Treinar e capacitar pessoas para desenvolverem habilidades profissionais, visando o desenvolvimento sócio econômico em regiões pela qual necessita de qualificação de mão de obra. Desta forma, difundirá o cooperativismo e outras formas de associativismo que permitam o desenvolvimento de trabalho e renda, preservação ambiental e geração de empregos. 
 
Equipe:  36 instrutoras
   12 funcionários administrativos
      12 mecânicos de máquinas
   12 plano saúde
 
Local: Rondonópolis, Guiratinga, Poxoréo, São José do Povo, Carimã
 
Atividades desenvolvidas
• consultoria e assessoria em produção
• aperfeiçoamento e treinamento de pessoal
• fretes e carretos
• alimentação / viagens
• hospedagem / viagens
• Assessoria e administração de projetos*
• Auditoria de projetos
• Locação de veículos
Confecção

 

Prazo: 25/06/2007 à 15/12/2007
Situação do projeto: Inativo
Realizador: SENAI 
Parceiros: Ima e Facual
 
Descrição: O setor do vestuário no Estado de Mato Grosso é constituído de empresas de micro, pequeno e médio porte que possuem a sua demanda diversificada entre roupas intimas, infantil, esporte, passeio e uniformes. Este segmento em desenvolvimento no Estado, conta com o apoio da APL – Arranjo Produtivo Local,  Facual, SICME e encontra dificuldades para a contratação de pessoas qualificadas para o desenvolvimento de produtos com qualidade. Neste contexto, o SENAI que tem por objetivo atender as necessidades dos setores empresariais de forma que proporcione a melhoria do processo produtivo, bem como qualificar pessoas desempregadas para sua inserção no mercado, ou mesmo prepará-las como empreendedoras para o seu próprio negócio, buscou a realização do Curso Básico de Costura Industrial desenvolvido na moderna Escola Móvel de Costura Industrial e de Curso de Mecânica e Manutenção de máquinas de costura industrial desenvolvido na Unidade Operacional de Rondonópolis.  O projeto tem por objetivo desenvolver o processo produtivo dos setores industriais da área têxtil e vestuário através do aperfeiçoamento da mão-de-obra dos seus trabalhadores, bem como a qualificação de pessoas desempregadas preparando-as para inserção no mercado de trabalho.
 
Público alvo: Mulheres sem alternativa de emprego e renda da cidade de Campo Verde. 
 
Local: Poxoréu, Alto Araguaia, Campo Verde, Rondonópolis. 
 
Atividades desenvolvidas: Curso Básico de Costura Industrial Unidade Móvel
Obras e Infraestrutura

 

Prazo: 01/04/2007 à 31/12/2007
Situação do projeto: Inativo
Realizador: Fundação Lar do Menino Jesus. Tel: (66) 3436-1631
Parceiros: Ima e Facual
 
Descrição: Más condições das instalações do Colégio Agrícola que acaba dificultando as condições de aprendizado para os alunos da região. O projeto consiste na reforma e reestrutura das instalações do Colégio Agrícola, Cidade dos Meninos, localizada no município de Poxoréu, sob responsabilidade administrativa do Lar do Menino Jesus. 
 
Público alvo: estudantes da Escola Agrícola 
 
Local: Poxoréu
 
Atividades desenvolvidas: Limpeza de 66,36 ha da área/ dist. Corretivos/construção de terraços; Correção de 200,00 ton.; 3 ha. de plantio de campineira; aquisição de 12 unidades de material permanente. 
Educação e Pesquisa

 

Prazo: 2007
Situação do projeto: Inativo
Realizador: Fetagri – MT
Parceiros:  Facual
 
Descrição: Durante quase meio século, o Brasil, desenvolveu pesquisas sobre biodiesel, promovendo inicialmente para usos em testes, foi um dos pioneiros ao registrar a primeira patente sobre o processo de produção de combustível em 1980. No Governo do Presidente Luiz Inácio Lula da Silva, por meio do Programa Nacional de Produção e Uso do Biodiesel, organizando a cadeia produtiva, definindo as linhas de financiamento, estruturou a base tecnológica e editou o marco regulatório de novo combustível. O Biodiesel é um combustível renovável, biodegradável não poluente, substituto ao óleo diesel mineral. E ambientalmente correto e surge com a perspectiva de inclusão social, que a produção de matéria prima de origem vegetal oferece. Podendo ser desenvolvida por meio de agricultura familiar com a possibilidade de cultivo de algumas espécies vegetais. O projeto consistiu na realização de duas oficinas para debater sobre o Programa PNBio, juntamente com o movimento sindical dos trabalhadores e trabalhadoras rurais das regiões Sul e do Médio Araguaia, onde foram definidos posicionamentos quanto a atuação do movimento sindical sobre o biodiesel no Estado.
 
Local: Sul e do Médio Araguaia de Mato Grosso
 
Atividades desenvolvidas
Realização de oficinas com os seguintes assuntos:
– Programa Nacional de produção e Uso de Biodiesel
– Selo Social 
– Oleaginosas Potenciais
– Linhas de crédito (financiamento)
– Cuidados com Contratos de Vendas Antecipadas com empresas.
Agricultura Familiar

Prazo: 01/12/2007 à 30/11/2008

Situação do projeto: Inativo
Realizador: Federação dos Trabalhadores na Agricultura
Parceiros: Fetagri-MT, Cooperativa, STR, Prefeituras e Facual
 
Contexto: Com a consolidação da cotonicultura de alta tecnologia nos últimos anos, a agricultura familiar foi reduzindo suas áreas de plantio, fato que causou grande desemprego no campo, gerou êxodo rural e, consequentemente, o surgimento de bolsões de pobreza na periferia das cidades, sendo que a agricultura familiar é uma alternativa para a melhoria na qualidade de vida, pois apresenta enorme potencial de agregação de valor, consequentemente mantém as famílias no campo. Esta cultura poderá ser importante para o Mato Grosso, onde existem mais de 350 assentamentos rurais espalhados em diversas regiões do estado, abrangendo aproximadamente 72.000 famílias. Acrescenta-se a este contingente de pessoas as comunidades tradicionais localizadas nas áreas de colonização mais antigas. Estes pequenos agricultores são carentes de opções que viabilizem a sua permanência na propriedade, garantindo-lhes o sustento e bem estar. 
 
Por outro lado, a sustentabilidade das atividades na pequena propriedade está atrelada a vários fatores de produção como clima, manejo de solo, pragas e doenças, cultivares adaptadas, controle de qualidade, dentre outros, além de sólidos processos de organização de produtores e canais de comercialização.
Partindo do princípio de que somente os próprios agricultores podem promover o seu desenvolvimento, e que outros agente (pesquisa, extensão rural, ONG’S, etc.) ou fatores (educação, fertilidade do solo, etc.) apenas podem contribuir para que eles o façam, este programa contém um componente muito forte de transferência de tecnologia de capacitação e de fomento acoplados à planta física.  A expectativa é despertar nesses produtores a vontade de fazer (querer), ao mesmo tempo em que demonstra como fazer (saber), para que os outros possam solucionar seus próprios problemas, na busca da sustentabilidade das suas famílias.
 
O projeto teve como objetivo principal dar continuidade no processo que busca viabilizar a cultura do algodão em nível de agricultura familiar, em Mato Grosso, acompanhando o processo organizacional das cooperativas, localizadas em dois pólos produtivos, detentoras de duas unidades beneficiadoras de algodão implantadas. Dar ênfase a capacitação de produtores, com uma assistência técnica de qualidade. Desta forma poder estruturar o processo produtivo, da organização até a comercialização.
Descrição: este projeto é continuidade de um processo iniciado em 2000, que incentiva a produção do algodão para a agricultura familiar, buscando formas para tornar esta cultura socioeconomicamente viável, para o âmbito da pequena produção, apresentando-se como uma grande alternativa para viabilizar a permanência do agricultor familiar na propriedade, garantindo-lhes sustento e bem estar.
 
Prestação de assistência técnica a 100 agricultores familiares, com ênfase a agricultura sustentável, organização e gerenciamento da propriedade; Consultoria administrativa e organizacional, aos sócios das cooperativas já constituídas; Apoio a extensão e as pesquisas realizadas com ênfase ao algodão direcionado para a agricultura familiar; Montagem, juntamente com a Embrapa, de duas unidades de tese de linguagens e variedades de algodão, junto às duas cooperativas; Apoio ao beneficiamento e a comercialização da produção;Viabilização de sementes para 100 produtores familiares ou 250 ha.
 
Beneficiários: 72.000 mil famílias
 
Equipe:
– Nilton José da Macedo – coordenação institucional – Cuiabá
– Adelar Umberto Schons – Elaboração do projeto e coordenação de atividades técnicas
– Enilza Santos Ferri – colaborado – Cuiabá
– Janaine de Jesus – colaborador – Cuiabá
 
Local: Nova Guarita, Porto Esperidião, Cuiabá
 
Atividades desenvolvidas:
– Assistência técnica aos produtores
– Seleção e cadastramento de produtores 
– Distribuição de sementes
– Área experimental
– Beneficiamento e comercialização
– Gerenciamento do programa
Agricultura Familiar

Prazo: 10/01/2006 a 30/11/2006

Situação do projeto: Inativo
Realizador: FUNDAPER
Parceiros: EMBRAPA UEP-MT, EMPAER-MT, FETAGRI-MT, UNEMAT e Facual
 
Descrição: A área de plantio, produtividade e qualidade do algodão de Mato Grosso consagram o Estado como principal produtor nacional. Esta liderança foi conseguida graças a expansão da cultura na região dos Cerrados, com um perfil tecnológico avançado, caracterizado pela utilização da mecanização em todas as etapas do processso produtivo, uso intenso de insumos, plantio em grande áreas, descaroçamento do produto no local de produção, venda de plumas diretamente para as industrias ou exportação, o que significa dizer que o mercado de ‘commodities’ organiza e orienta esse segmento de produção. Em contraposição, na agricultura familiar, diagnostico recente mostra que a cultura do algodão está em decadência, sendo cultivada em pequenas áreas, com baixo nível tecnológico, colheita manual e desorganização dos produtores no processo de comercialização que se baseia ainda, na oferta de algodão em caroço. Nessas condições, o algodão é pouco competitivo em relação a outras atividades e apresenta elevado grau de risco.
 
Para a viabilização da cultura na agricultura familiar é necessário: estímulo e organização da produção de um algodão diferenciado (colorido, orgânico, fibra longa); viabilização do beneficiamento da produção e organização dos segmentos de fiação e tecelagem da cadeia produtiva; estimulo a formação de mercado para esse produto diferenciado através do desenvolvimento e valorização dos trabalhos e produtos artesanais. 
Nesse contexto, a adequação de sistemas de produção de sistemas de produção apropriados a esta realidade representa um desafio para os serviços de Pesquisa & Desenvolvimento, assistência técnica e Extensão Rural e Ensino Superior de Mato Grosso. Somente uma efetiva articulação inter-institucional, com apoio do PROALMT/FACUAL, conseguira organizar os diferentes setores da cadeia produtiva do algodão familiar, viabilizando renda, emprego e cidadania aos diversos setores da cadeia, de maneira muito especial, aos produtores rurais e suas famílias. Adicionalmente, para dar sustentabilidade à cultura do algodão familiar é necessário que os sistemas de produção tenham bem definidos os seus processos (épocas de plantio, recomendação de adubação, população de plantas e outros ) e utilizem cultivares produtivas, resistentes às principais doenças e pragas  (vetores de doenças), adaptadas às condições de cultivo da agricultura familiar e com características de fibra que viabilizem o desenvolvimento de trabalhos artesanais, como estratégia de redução de custos/riscos, agregação de valor e integração dos elos (produção x industrialização x comercialização).
A agricultura familiar, diferentemente da agricultura empresarial, caracteriza-se pela total carência de recursos para sustentar-se. Falta aos pequenos agricultores: educação/tradição, capital acesso a crédito, espírito associativista  para poder comprar e vender bem insumos e seus produtos, escala de produção, competitividade devido aos altos custos de produção, além de outros fatores, que os torna dependentes de atravessadores e incapazes de alavancar o desenvolvimento sustentável de suas comunidades.
 
Equipe: EMPAER-MT – Eurípedes Maximiano Arantes – Coordenador Cáceres
  Nivaldo do Espírito Santo – técnico Agrícola – Colaborador Cáceres
  Wanderley Conceição Araújo – Técnico Agrícola – Colaborador Sinop
  EMBRAPA – Marcio Castrillon Mendes – Eng.º Agro.º MSc – Colaborador Cuiabá
  Eleusio Curvelo Freire –  Eng.º Agro.º DS – Consultor/C. Grande
 
Local: Cáceres, Sinop, Tangará Da Serra, Quatro Marcos, Pedra Preta e Colider.
 
Atividades desenvolvidas
– Avaliar e indicar cultivares tradicionais e de fibras colorida para o desenvolvimento e valorização dos trabalhos artesanais da agricultura familiar.
– Validar práticas de manejo e caracterizar cultivares/linhagens de algodão colorido com potencial de uso na agricultura familiar para aperfeiçoar o sistema de produção.
Agricultura Familiar

 

Prazo: 01/06/2006 à 30/06/2007
Situação do projeto:
Realizador: Fundaper
Parceiros: Facual e Fetagri
 
Descrição: melhorar a qualidade de vida do pequeno produtor rural e promover o desenvolvimento sustentável das comunidades, gerando renda aos agricultores familiares e melhorando a sustentabilidade das propriedades, utilizando a cultura do algodão como parte dos arranjos produtivos locais. 
Agricultura Familiar

 

Prazo: 23/06/2006 a 31/07/2006
Situação do projeto: Inativo
Realizador: Fetagri
Parceiros: Facual
 
Descrição: capacitar através do curso de Corte e Costura do Ceprotec seis trabalhadoras rurais do assentamento Carimã.
 
Beneficiários: seis trabalhadores de Carimã
 
Local:  Carimã-MT
 
Atividades desenvolvidas: Curso de corte e costura
Agricultura Familiar

 

Prazo: 07/2006 a 07/2007
Situação do projeto: Inativo
Realizador: Fetagri
Parceiros: Facual
 
Contexto: ao longo da existência do MSTTR – Movimento Sindical dos Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais do Estado de Mato Grosso sempre buscamos capacitar e qualificar trabalhadores, funcionários e lideranças sindicais para que nossa atuação seja cada vez mais representativa e de qualidade. De quatro em quatro anos, é realizado o Congresso Estadual dos Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais com o objetivo de discutir e avaliar políticas de atuação em relação à agricultura familiar e aos trabalhadores rurais assalariados. A agricultura familiar do Estado não está vivendo um momento diferente do agronegócio, ou seja, passa também por crise. A diferença é que no nosso setor essa crise vem ocorrendo há mais tempo e, dificilmente, encontra-se apoios em órgãos governamentais que venham a facilitar a luta do dia-a-dia do trabalhador rural. É por isso que, constantemente, busca-se viabilizar a permanência (com dignidade) do homem no campo. Através dos GTBs (Grito da Terra Brasil) que se realizam anualmente em nível Federal (com a participação de todos os Estados do País) já foi obtida garantia de vários direitos como, por exemplo, a aposentadoria em regime especial para o(a) trabalhador(a) rural, os Pronafs, Crédito Fundiário, entre outros. Sabe-se que todas essas conquistas vieram da capacidade de articular e exigir políticas públicas que atendam ao trabalhador rural. Nesse espírito realizou-se o 7º Congresso. Buscando maneiras, tirando diretrizes, encontrando caminhos para a agricultura familiar do estado de Mato Grosso. Com discussão sobre a cotonicultura familiar como uma das opções para a renda da família.
 
Descrição: Definição de políticas para Agricultura Familiar do Estado de Mato Grosso, visando a melhoria de vida do trabalhador rural, definindo formas de atuação do MSTTR, buscando a sustentabilidade da agricultura familiar. Em conjunto foi realizada a eleição da nova diretoria da Fetagri. Participaram em torno de 300 pessoas.
Público alvo: Trabalhadores e trabalhadoras rurais do Estado de Mato Grosso. 
 
Beneficiários: 300 trabalhadores
 
Equipe: Edvaldo José da Silva (responsável)
Atividades desenvolvidas: Disponibilidade de estrutura de hospedagem a 150 participantes do congresso; disponibilidade de alimentação para 3.000 participantes do congresso; produção de material didático para 300 participantes do congresso; produção de kits promocionais.
Confecção

 

Prazo: 01/06/2006 à 30/06/2007
Situação do projeto: Inativo
Realizador: Fundaper
Parceiros: Cooperativa de confecção de jeans de Rondonópolis MT
 
Descrição: A Cooperativa de Confecção de Jeans de Rondonópolis – RONDOJEANS, foi criada em 11 de julho de 2005, com a finalidade de criar oportunidades de trabalho na região, com a formação de  costureiros(as) e ao mesmo tempo, fomentar o desenvolvimento de novas empresas  consumidoras de tecido oriundo do algodão.
 
O projeto foi financiado pelo Facual – Fundo de Cultura do Algodão, que o manteve por 12 meses. O projeto consistiu na contratação de profissionais altamente qualificados, aptos a desenvolver o trabalho de estruturar a Rondojeans e treinar a mão-de-obra local, atualizando-a quanto às novas tecnologias e metodologias da confecção de jeans.  
 
Foram contratados seis instrutores, especializados em novas técnicas de produção de confecção de jeans e dois assistentes administrativos para atendimento direto junto as cooperativas que foram responsáveis por treinar a mão-de-obra e qualificá-la para o trabalho a que se destina a Cooperativa. 
 
Público alvo: Rondojeans e pessoal contratado
 
Equipe: Contratados  06 instrutoras, especializadas em novas técnicas de produção de confecção de Jeans,  e 02 assistentes administrativos para atendimento direto junto as cooperativas.
 
Local: Rondonópolis
 
Atividades desenvolvidas: Treinamento de mão-de-obra
Agricultura Familiar

 

Prazo: 01/10/2006 a 30/09/2007
Situação do projeto: Inativo
Realizador: Fundaper – tel: 3623-5462
Parceiros: Fetagri – MT e Facual
 
Contexto: Diante do quadro atual o objetivo geral deste projeto é melhorar a qualidade de vida do pequeno produtor rural e promover o desenvolvimento sustentável das comunidades, gerando renda aos agricultores familiares e melhorando a sustentabilidade das propriedades, utilizando a cultura do algodão como parte dos arranjos produtivos locais. 
Descrição: Contratação de recursos humanos para integrar a equipe de execução das ações de vistoria de áreas e entrevistas de interessados em acessar aquisição de áreas através do Programa Nacional de Crédito Fundiário. 
 
As ações realizadas durante este período permitiram que as lavouras chegassem ao ponto de colheita e esta ocorresse dentro da normalidade, que a estrutura de beneficiamento esteja organizada e ocorra conforme o esperado e, ainda, que a comercialização ocorra da forma mais rentável e com o máximo de vantagens possíveis para os produtores.
 
Público alvo: Produtores familiares da área 
 
Equipe: Adão Silva – Coordenador do projeto – Cuiabá 
Nilton José da Macedo – Coordenador do projeto – Cuiabá
Adelar Umberto Schons – Elaboração do projeto e acompanhamento técnico
Mônica Luiza do Amaral Jesus – Colaborador administrativo  Fetagri/Cuiabá
    Abraham Gonzalez Aguiar – Colaborador  Administrativo Fundaper – Cuiabá
Marcos Anzil da Silva – Colaborador técnico agrícola Fetagri – Cuiabá
Enilza Santos Serri – Colaborador contabilidade Fetagri – Cuiabá
Maurício Ramos dos Santos – Colaborador técnico agrícola – Nova Guarita
Claudinei Pereira do Santos – colaborador técnico agrícola – Porto Esperidião
 
Local: Nova Guarita, Porto Esperidião e Campo Novo do Parecis.
 
Atividades desenvolvidas:
– Assistência técnica aos produtores familiares – A assistência técnica aos produtores terá como suporte as cooperativas de produtores, os STRs e as prefeituras municipais.
– Para manter o sistema eficiente de assistência aos produtores foi necessária a contratação de profissionais da área. Todas as contratações foram feitas pela Fundaper sobre indicação da Fetagri, sobre a sua responsabilidade.
– O custeio da assistência técnica foi feito através de pagamento, pela Fetagri, direto aos fornecedores e prestadores de serviço que atenderão a estrutura de assistência técnica.
– A assistência técnica será responsável pela capacitação de profissionais dos produtores e pelo acompanhamento das propriedades familiares, dando suporte técnico, organizacional e gerencial e efetuando um levantamento minucioso de pragas e o custo de produção das lavouras dos agricultores familiares.
– Seleção e cadastramento de produtores – A seleção e cadastramento dos produtores foi realizada junto às cooperativas, criadas para coordenar a organização dos produtores e a produção, juntamente com os técnicos envolvidos no programa, Sindicatos dos Trabalhadores Rurais e secretarias de agricultura dos municípios do programa.
– Capacitação de produtores – Os produtores foram capacitados em reuniões técnicas que serão realizadas pelo corpo responsável pela assistência técnica e supervisionado pelos coordenadores do projeto. Foram realizadas palestras sobre “Manejo do Algodoeiro” e “Manejo Integrado de Pragas” –  ministrados junto aos produtores, visando identificação, amostragem e melhor forma de controle das pragas, conforme MIP.
– Aquisição e distribuição da semente – A qualidade das sementes utilizadas constitui um importante fator para o sucesso das culturas, garantindo uma boa emergência a campo, com plantas uniformes e vigorosas, refletindo direto na produção. No caso especifico da agricultura familiar, este fator de produção, quando não considerado de extrema importância, levou a introdução de pragas, doenças, baixa produtividade com alto custo de produção, que praticamente inviabilizam a cultura para este setor da sociedade. Por este fato sente-se a necessidade de viabilizar semente de variedade adequada, de boa qualidade e tratada, para repassar às cooperativas de produtores que distribuirão aos produtores selecionados pelas entidades envolvidas no programa.
– Beneficiamento e comercialização – A comercialização da safra passada foi feita junto à Cotton King, com apoio da Secretaria Rural do Estado de Mato Grosso, na pessoa do secretário Cloves Vettorato, contrato para dar maior segurança aos pequenos produtores.
– Gerenciamento do programa – A coordenação e execução do programa foram de responsabilidade direta da Fetagri, tendo como co-participantes as Cooperativas de produtores, os STRs municipais e as prefeituras municipais. Outras entidades serão envolvidas na implementação das ações, tanto em nível local como regional, de acordo com a necessidade. 
Agricultura Familiar

 

Prazo:  11/08/2005 a 31/03/2006
Situação do projeto: Inativo
Realizador: FETAGRI-MT
Parceiros: Prefeitura Municipal, Empaer, Sindicato dos Trabalhadores Rurais, Fetagri e Sebrae 
 
Descrição: Com o propósito de agregar valor ao algodão da agricultura familiar, em 2003 foi apresentado o projeto ”Agregação de Valor à Cotonicultura Familiar do Estado de Mato Grosso”. O projeto foi desenvolvido no município de Pedra Preta pelo fato de existirem cerca de 30 produtores que já plantavam o algodão colorido (BRS 200 MARROM). Além disso, o município faz parte do APL de confecção da Região de Rondonópolis, inserido no orçamento do Sebrae/Mato Grosso para triênio 2004-2006.
A atuação no município de Pedra Preta iniciou-se com seleção dos participantes definidas pelas entidades parceiras, baseando-se nos critérios de: pessoas com afinidade e interesse de trabalharem na atividade fiação e tecelagem, produtores rurais com cultivo do algodão colorido e fazerem parte do assentamento.
Os participantes foram organizados em três grupos: Assentamento São José Operário, neste grupo, além dos assentados foram envolvidas pessoas da comunidade do Bairro Jibóia por estarem localizadas próximas a esse assentamento. Assentamento Wilson Medeiros e o Assentamento do Banco da Terra e Canudos, que receberam o treinamento na sede do município. No total foram capacitadas 96 pessoas na atividade de carda, fiação e tecelagem manual do algodão colorido, demonstrando a possibilidade de gerar mais uma alternativa de renda às famílias do meio rural com agregação de valor ao produto in-natura.
Uma característica marcante do sucesso desta iniciativa foi o comprometimento das pessoas envolvidas no projeto, muitos deles caminhavam até 5 km para chegarem ao local dos treinamentos. Além da forte integração das entidades parceiras (Prefeitura Municipal, Empaer, Sindicato dos Trabalhadores Rurais, Fetagri, Sebrae e Facual). Nas experiências de apresentação do produto ao mercado consumidor (Participação nas feiras: SBPC, em Cuiabá e Feira da Agroindústria Familiar em Brasília) obtiveram resultados positivos com boa aceitação dos produtos. Todos esses fatores levam a contribuírem para a continuidade deste projeto, através da realização das ações que visem dar sustentabilidade e visibilidade dos trabalhos da comunidade.
 
Objetivos: Desenvolver uma linha de produto e ou coleção, com design diferenciado, adequado à realidade da comunidade e a do mercado consumidor, fortalecendo assim a organização produtiva, prevendo sua sustentabilidade.
 
Beneficiários: No total foram capacitadas 96 pessoas na atividade de carda, fiação e tecelagem manual do algodão colorido
 
Equipe: Adão da Silva; Terezinha Divina Santana; Adelar Umberto Schons; Soni Celito Martins; Shirlei T. C. Pereira; Iraci Ferreira de Souza; Rosangêla D. de Barros 
 
Atividades desenvolvidas: Realização da estrutura das unidades produtivas e de comercialização;
Apoio a gestão dos grupos;
Realização de ações de capacitação e aperfeiçoamento técnico;
Apoio da comercialização.
Agricultura Familiar

 

Prazo: 03/02/2005 a 31/10/2005
Situação do projeto: Inativo
Realizador: FUNDAPER
Parceiros: Facual
 
Descrição: Para reverter a tendência de redução de área e dar sustentabilidade à cultura do algodão na agricultura familiar torna-se necessário que os sistemas de produção vigentes sejam sustentados pelo uso de cultivares produtivas, resistentes as principais doenças adaptadas às condições de cultivo desse segmento de produção e com características de fibra que viabilizem o desenvolvimento e valorização de trabalhos e produtos artesanais, como estratégias de redução de custos e riscos, agregação de valor e integração com outros setores da cadeia produtiva.
Com o objetivo de atender a essa demanda, foram conduzidos 16 ensaios de avaliação e manejo de cultivares tradicionais (fibra média/branco) e alternativas (Algodão colorido) na principais regiões geo-econômicas de Mato Grosso, onde predomina uma agricultura familiar.
 
Os resultados obtidos, confirmaram a boa performace, apresentada na últimas safras pelas cultivares tradicionais BRS ITAÚBA, BRS AROEIRA, BRS PEROBA E IAC 24. Estas cultivares possuem características de fibras e agronômica que atendem a demanda da industria têxtil e dos agricultores familiares.
 
As linhagens avançadas de algodão colorido oriundas do programa de melhoramento da Embrapa/CNPA para o Centro Oeste apresentam alto potencial produtivo, fenologia que se ajusta ao clima de Mato Grosso e características de  fibra que atendem a demanda da agricultura familiar.
 
As cultivares de algodão colorido, CNPA CO AMT-19 e CNPA CO TB 90 CREME, apresentam características agronômicas e tecnológicas de fibras que as tornam promissoras para o cultivo na agricultura familiar  mato-grossense. A cultivar CNPA CO AMT-19 , de coloração marrom, com boa fixação de cor e excelente uniformidade, possui capulhos médios, deiscência facilitada, porte médio (130 a 140 cm de altura), ciclo médio (150 dias), rendimento de fibras de 36 a 38%, boa tolerância à viroses e características tecnológicas de fibras que atendem as exigências das industrias têxteis.
 
A análise econômica da utilização de cultivares coloridas e tradicional (branca), demonstram que a CNPA CO AMT-19 proporciona a obtenção de maior lucro, mesmo sem remuneração do valor agregado pela cor. A utilização desta cultivar e a obtenção de preços no mercado, que remunere a qualidade e o valor agregado pela cor, representa lucro-extra, capaz de conferir maior competitividade à cultura do algodão.
 
As tecnologias disponíveis para a produção do algodão tradicional (branco), nas áreas de agricultura familiar, são passíveis de utilização para a produção de algodão colorido.
 
Objetivos: Avaliar e indicar cultivares de fibras longa e colorida para o desenvolvimento e valorização dos trabalhos artesanais da agricultura familiar; validar práticas de manejo e caracterizar cultivares/linhagens de algodão colorido.
 
Equipe: Eurípedes Maximiliano Arantes;  José dos Santos Silva; Nivaldo do Espírito Santo; Nilseu Ferrato; Moacir Buffet;  Wanderley Conceição Araújo; Maurílio Castrillon Mendes; Eleusio Curvelo Freire; Luis Gonzaga Chitarra; Adelar Umberto Schons e Dana Kátia Meschede
 
Local: Cáceres, Quatro Marcos, Tangará da Serra, Sinop, Pedra Preta e Colíder. 
 
Atividades desenvolvidas: Amostragem solo; preparo de solo; adubação e plantio; desbaste/cobertura; controle de pragas/ervas; colheita; tabulação de dados; análise estatísticas.
Confecção

 

Prazo: 07/10/05 a 31/03/06
Situação do projeto: Inativo
Realizador: SINVEST MT
 
Descrição: Consultoria tecnológica para oito empresas que fazem parte do APL de Rondonópolis MT e que conforme  diagnóstico realizado, as mesmas tem prioridades em corrigir as deficiências apresentadas nas atividades de corte e modelagem, controle e planejamento da produção, layout, diminuição do desperdício no processo de fabricação, adequação da gestão de compras e estoque, implantação de um sistema de qualidade e aperfeiçoamento da mão-de-obra disponível na empresa. 
 
O diagnóstico elaborado apontou os seguintes problemas: deficiência nas atividades de corte de confecção industrial e modelagem; falta de planejamento, programação e controle da produção (PPCP); layout confuso e inadequado; altos índices de desperdício no processo de fabricação; acondicionamento de matéria prima inadequado (tecido); gestão de estoque e compra deficiente; falta de implantação e implementação de um sistema de gestão da qualidade; colaborador operacional apresenta carência de conhecimento, habilidades e atitudes necessárias ao bom desempenho na atividade que exerce; visão muito segmentada impedindo o compromisso com o cliente interno; falta e/ou má utilização de mão-de-obra.
 
Beneficiários: Empresas: Sapekas Confecções; Dinamarca Confecções; Lê Kage Confecções, G7 Confecções; Cheiro de Mar Confecções; Décadas Confecções; Pé de Pano Confecções.
 
Local: Rondonópolis
 
Atividades desenvolvidas
• Curso superior para Ind. de Confecção; 
• Curso de Corte Confecção Industrial; 
• Curso de Modelagem Industrial. 
Educação e Pesquisa

 

Prazo: 06/2005 à 12/2005
Realizador: ASCCON – ASSOCIAÇÃO DOS COOPERADOS DA CONACENTRO
 
Descrição:
Em estudo de cunho avaliativo sobre perspectiva de demanda regional, especificamente na região dos municípios de Nova Ubiratã, Sinop, Santa Carmem, Vera, Feliz Natal, Marcelândia, União Sul, Cláudia, além de Sorriso, Lucas do Rio Verde e Nova Mutum, conclui-se que o setor agrícola, tido como grande alternativa de emprego tem crescido a cada ano na região, absorvendo mão-de-obra e gerando oportunidade para que o jovem e adulto da região tenham acesso às oportunidades de desenvolver seu potencial individual, ter vida melhor e, assim, estejam em melhores condições de contribuir e compartilhar do sucesso econômico da comunidade.
 
A disposição por parte do empresariado em investir na produção com tecnologia aliada à disposição do poder público em oferecer a infra-estrutura e o apoio que permitam o desenvolvimento, são os ingredientes necessários para o desenvolvimento e absorção de mão-de-obra qualificada. 
 
Tendo em vista esses resultados e, principalmente, o potencial agrícola da região, acredita-se que possa ser oferecida uma educação profissional integrada às áreas do  trabalho, à ciência e a tecnologia, conduzindo ao permanente desenvolvimento de aptidões para uma vida produtiva, proporcionando mais flexibilidade na escolha de seu itinerário profissional, em articulação com o ensino médio e para o exercício pleno da cidadania.
 
Não se concebia, uma educação profissional como simples instrumento de política assistencialista, com o objetivo simplório de suprir as demandas de mercado, mas sim de profissionais que tenham efetivo acesso às conquistas cientificas e tecnológicas  da sociedade e não somente o domínio operacional de um determinado assunto, mas uma compreensão global do processo produtivo, com apreensão do saber tecnológico, a valorização da cultura do trabalho e a mobilização dos valores  necessários para a tomada de decisões, que resultem numa relação de valor do próprio trabalho e do trabalho dos outros, conhecendo e reconhecendo  sua importância para o bem estar comum da sociedade e a qualidade de vida.
 
Acredita-se que a educação profissional deve trabalhar permanentemente as condutas dos alunos para  fazer deles defensores dos valores da competência, do mérito, da capacidade de fazer bem feito, da importância da recompensa pelo trabalho, incluindo respeito, reconhecimento e remuneração condigna. A Educação Profissional integrada ao Ensino Médio , voltada à educação e ao trabalho, é condição plena de preparação do jovem e adulto para exercício da cidadania. 
 
Com base na junção dos princípios da Educação Básica e da Educação Profissional enunciados na Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, pelas Orientações Curriculares para o Ensino Médio e pelas Diretrizes Nacionais de Educação Profissional de nível técnico e por sua Proposta Pedagógica é que o projeto teve por objetivo principal ofertar o Curso Técnico em Agricultura – Área profissional Agropecuária articulado ao Ensino Médio, conforme os preceitos estabelecidos na resolução 259-CEE/MT.
 
O Centro de Educação Profissional Eugenio José Antonio Pinesso, mantido pela ASCCON – ASSOCIAÇÃO DOS COOPERADOS DA CONACENTRO – COOPERATIVA DOS PRODUTORES DO CENTRO-OESTE,  situado no Distrito de Água Limpa, município de Nova Ubiratã –MT, criado com o propósito de oferecer aos jovens e adultos da região Educação Profissional de níveis básico e técnico tem como missão criar condições propícias ao desenvolvimento do espírito empreendedor voltado para a produção agrícola, assim como proporcionar a oportunidade e a capacidade para gerar renda e viver como cidadãos dignos e produtivos; a fim de que possam cumprir plenamente o papel que deles exige o novo paradigma das relações entro o mundo da educação e o mundo do trabalho, com enfoque no desenvolvimento sustentável, através de condições educacionais e disseminação de conhecimento  nas áreas profissionais da Agropecuária, de comércio e de gestão, apresentando ainda projetos referentes à produção agrícola, agroindústria e preservação do meio ambiente, contribuindo assim para o desenvolvimento da região, do estado e do país.
 
 
Equipe
– Osvaldo Maeda – Licenciado em Pedagógica, Especialização em Informática na Educação, CPF – 797.490.898-04. – Diretor do Centro.
– Raimunda Madalena Araújo Maeda – Licenciada em Letras, Mestrado em Letras, Doutoranda em Letras, CPF 175.638.011-20 – Coordenadora Pedagógica.
– Colaboradores: Coordenador Profissional, 4 engenheiros Agrônomos, 1 técnico agrícola, 2 secretárias, 1 bibliotecário, 1 auxiliar de Serviços Gerais, 1 Técnico em informática, 1 vigilante, 1 faxineira.
 
Local: Nova Ubiratã, Sinop, Santa Carmem, Vera, Feliz Natal, Marcelândia, União Sul, Cláudia, Sorriso, Lucas do Rio Verde e Nova Mutum
 
Objetivos
 – Desenvolver a educação profissional em articulação com o ensino médio de forma a atender a situações específicas ligadas ao desenvolvimento local e regional;
– Formar técnicos em agricultura aptos a atuarem como agentes no setor produtivo agrícola, com capacidade para desenvolver ações ligadas ao agronegócio, considerando as diferentes fases da cadeia produtiva vegetal e do processamento de produtos agropecuários;
– Oferecer aos alunos oportunidades para construção de competência profissional, na perspectiva do mundo da produção e do trabalho, bem como do sistema educativo;
– Desenvolver competências e habilidades para que o cidadão desempenhe eficazmente as atividades na exploração agrícola, determinando tecnologias economicamente viáveis às necessidades da região, atuando crítica e ativamente como líder e transformador do meio cultural, social e econômico;
– Evidenciar ao Técnico em Agricultura a predominância e importância da agricultura no cenário atual, o dinamismo desta e a integração das tecnologias empregadas na produção vegetal.
 
Atividades Desenvolvidas
– Cursos de qualificação profissional aos produtores e trabalhadores rurais da região de abrangência do Centro.
Agricultura Familiar

Prazo: 04/11/05 a 31/10/2006

Situação do projeto: Inativo
Realizador: FETAGRI
Parceiros: Facual
 
Contexto: Com a consolidação da cotonicultura de alta tecnologia, a agricultura familiar foi reduzindo suas áreas de plantio, fato que causou grande desemprego no campo, gerou êxodo rural e o declínio da qualidade de vida. Esta cultura poderá ser importante para o MT, onde existem mais de 400 assentamentos rurais espalhados em diversas regiões do Estado, abrangendo aproximadamente 83.000 mil famílias; acrescenta-se a este contingente, as comunidades tradicionais localizadas em áreas de colonização antiga. Estes pequenos agricultores são carentes de opções que viabilizem a sua permanência na propriedade, garantindo-lhes o sustento e bem estar.
Por outro lado, a sustentabilidade das atividades na pequena propriedade está atrelada a vários fatores de produção como clima, manejo de solo, pragas e doenças, cultivares adaptadas, controle de qualidade, dentre outros, além de sólidos processos de organização de produtores e canais de comercialização.
 
Partindo do princípio de que somente os próprios agricultores podem promover o seu desenvolvimento e que outros agentes (pesquisa, extensão rural, ONG’S, etc.) ou fatores (educação, fertilidade do solo, etc.) apenas podem contribuir para que eles o façam, este programa contém um componente muito forte de transferência de tecnologia de capacitação e de fomento acoplados à planta física.  A expectativa é despertar nesses produtores a vontade de fazer (querer), ao mesmo tempo em que se demonstra como fazer (saber) para que os outros possam solucionar seus próprios problemas.
A presente proposta tem por objetivo principal dar continuidade no processo que busca viabilizar a cultura do algodão, em nível de agricultura familiar, em Mato Grosso. As ações são de acompanhando do processo organizacional das cooperativas, localizadas em dois pólos produtivos, detentoras de duas unidades beneficiadoras de algodão implantada. Além disso, dá ênfase à capacitação de produtores, com uma assistência técnica de qualidade. Desta forma, propicia a estruturação do processo produtivo, da organização até a comercialização.
 
Em síntese melhora a qualidade de vida do pequeno produtor rural e promove o desenvolvimento sustentável regional, gerando renda aos agricultores familiares, com  sustentabilidade da propriedade, utilizando a cultura do algodão como parte dos arranjos produtivos locais. 
 
Beneficiários: 130 agricultores familiares
 
Equipe:  Edivaldo José da Silva – Coordenador Cuiabá – 20%;  Adão da Silva – Coordenador Cuiabá – 20%;   Adelar Uberto Schons – Colaborador Cuiabá – 100%; Eng Agrônomo – 100%;  Monica de Luiza do Amaral – técnica administrativa – Cuiabá; Gonçalo Benedito de Oliveira – motorista – Cuiabá; Tecnico contábil Cuiabá; Paulinho Baia – presidente Cootes – coodernação Cuiabá; 2 técnicos agricolar não definidos – Cuiabá
 
Atividades desenvolvidas: Assistência técnica aos produtores; Seleção e cadastramento de produtores; Distribuição de sementes; Área experimental; Beneficiamento e comercialização; Gerenciamento do programa.
Agricultura Familiar

 

Prazo: 04/11/05 a 31/10/2006
Situação do projeto: Inativo
Realizador: Fetagri
Parceiros: Facual
 
Contexto: com a consolidação da cotonicultura de alta tecnologia nos últimos anos, a agricultura familiar foi reduzindo suas áreas de plantio, fato que causou grande desemprego no campo, gerou êxodo rural e, consequentemente, a melhoria de qualidade de vida, pois apresenta enorme potencial de agregação de valor, conseqüentemente mantém as famílias no campo. Esta cultura poderá ser importante para o MT, onde existem mais de 400 assentamentos rurais espalhados em diversas regiões do estado, abrangendo aproximadamente 83.000 mil famílias; acrescenta-se a este contingente de pessoas as comunidades tradicionais localizadas em áreas de colonização antiga. Estes pequenos agricultores são carentes de opções que viabilizem a sua permanência na propriedade, garantindo-lhes o sustento e bem estar.
Por outro lado, a sustentabilidade das atividades na pequena propriedade está atrelada a vários fatores de produção como clima, manejo de solo, pragas e doenças, cultivares adaptadas, controle de qualidade, dentre outros, além de sólidos processos de organização de produtores e canais de comercialização.
Partindo do princípio de que somente os próprios agricultores podem promover o seu desenvolvimento, e que outros agentes (pesquisa, extensão rural, ONGs, etc.) ou fatores (educação, fertilidade do solo, etc.) apenas podem contribuir para que eles o façam, este programa contém um componente muito forte de transferência de tecnologia de capacitação e de fomento acoplados à planta física. A expectativa é despertar nesses produtores a vontade de fazer (querer), ao mesmo tempo que demonstra como fazer (saber) para que os outros possam solucionar seus próprios problemas, na busca da sustentabilidade das suas famílias.
A presente proposta tem por objetivo principal dar continuidade no processo que busca viabilizar a cultura do algodão em nível de agricultura familiar, em Mato Grosso, acompanhando o processo organizacional das cooperativas, localizadas em dois pólos produtivos, detentoras de duas unidades beneficiadoras de algodão implantada, da ênfase à capacitação de produtores, com uma assistência técnica de qualidade. Desta forma, vai poder estruturar o processo produtivo, da organização até a comercialização.
Além de melhorar a qualidade de vida do pequeno produtor rural e promover o desenvolvimento sustentável regional, gerando renda aos agricultores familiares, melhorando a sustentabilidade da propriedade, utilizando a cultura do algodão como parte dos arranjos produtivos locais. 
 
Beneficiários: 130 agricultores familiares
 
Equipe: Edivaldo José da Silva – Coordenador Cuiabá – 20%
  Adão da Silva – Coordenador Cuiabá – 20%
  Adelar Umberto Schons – Colaborador Cuiabá – 100%
    Eng. Agrônomo – 100%
    Mônica de Luiza do Amaral – técnica administrativa – Cuiabá
    Gonçalo Benedito de Oliveira – motorista – Cuiabá
    Técnico contábil – Cuiabá
    Paulinho Baia – presidente cootes – coodernação Cuiabá
    Dois técnicos agrícolas não definidos – Cuiabá
 
Atividades desenvolvidas: Assistência técnica aos produtores
 Seleção e cadastramento de produtores 
 Distribuição de sementes
 Área experimental
 Beneficiamento e comercialização
 Gerenciamento do programa
Confecção

 

Prazo: 01/07/2005 à 30/08/2005
Situação do projeto: Inativo
Realizador: SENAI
 
Descrição: Aquisição de uma Unidade Móvel de Costura Industrial, dotada de ampla infra-estrutura tecnológica, bem como de equipamentos de última geração, para proporcionar a gestão educacional capaz de ampliar a qualificação e o aperfeiçoamento da mão-de-obra do setor de confecção do Estado de Mato Grosso.
Na UMCI são ministrados cursos de confecção de artigos de vestuários e acessórios. Percorrendo os municípios e localidades deste grandioso estado, a Unidade Móvel de Costura proporciona o fortalecimento da cadeia de confecção com o suprimento de mão-de-obra qualificada. 
 
Equipe: Navarro da Costa Ferreira Junior – técnico de desenvolvimento – UETEC
Alberto Menacho Cuellar – Assistente administrativo – UETEC
Sheila de Froge – Técnica de apoio.
 
Local: Juína, Primavera do Leste, Tangará da Serra, Várzea Grande, Rondonópolis, Sinop, Barra do Garças, Cáceres.
Atividades desenvolvidas: cursos de confecção de artigos de vestuários e acessórios.
Confecção

 

Prazo: 28/10/2004 a 31/12/2005
Situação do projeto: inativo
 
Realizador: SEBRAE
 
Descrição: Em 2005, no município de Rondonópolis foi observada uma série de adversidades na APL, que tinha o seguinte contexto: deficiência nas atividades de corte de confecção industrial e modelagem; falta de planejamento, programação e controle da produção (PPCP); layout confuso e inadequado; altos índices de desperdício no processo de fabricação; acondicionamento de matéria prima inadequado (tecido); gestão de estoque e compra deficiente; falta de implantação e implementação de um sistema de gestão da qualidade; colaborador operacional apresentando carência de conhecimento, habilidades e atitudes necessárias ao bom desempenho na atividade que exerce; visão muito segmentada impedindo o compromisso com o cliente interno; falta e/ou má utilização de mão-de-obra.
A Facual apoiou com investimentos em consultoria tecnológica para oito empresas que fazem parte do APL de Rondonópolis MT. Conforme o diagnóstico realizado, estas empresas tinham prioridade em corrigir as deficiências apresentadas nas atividades de corte e modelagem, controle e planejamento da produção, layout, diminuição do desperdício no processo de fabricação, adequação da gestão de compras e estoque, implantação de um sistema de qualidade e aperfeiçoamento da mão de obra disponível na empresa. 
 
Público alvo: oito empresas consideradas como prioridade no APL
 
Local: Rondonópolis-MT
 
Atividades desenvolvidas: 
Entre as atividades realizadas, destacam-se: 
• Curso Superior para Indústria de Confecção; 
• Curso de Corte Confecção Industrial; 
• Curso de Modelagem Industrial.
Confecção

 

Prazo
 Primeira edição – 08/07/2004 a 30/12/2004
 Segunda edição –  02/01/2006 A 31/12/2006 
 
Situação do projeto: inativo 
Realizadores:  CEPROTEC-MT e CENFOR – Centro Público de Formação Prof.Dr. André Franco Montoro
Parceiros: Prefeitura Municipal de Rondonópolis
 
Descrição:  O projeto “Laboratório de Confecção Industrial” consiste na oferta de cursos de corte e costura para jovens e trabalhadores, tendo em vista a inserção no mercado de trabalho e/ou aprimoramento de habilidades profissionais. Este projeto foi desenvolvido na Unidade de Ensino Descentralizada do CEPROTEC de Rondonópolis, município destacadamente competitivo na produção de algodão que, recentemente, recebeu diversas indústrias do setor têxtil. 
 
Objetivos:
a-) Qualificar e requalificar mão-de-obra para inserção no mercado de trabalho de confecção industrial em Rondonópolis e região. 
b-) Habilitar mão-de-obra com domínio de competência e habilidades, de forma a garantir condições e permanência no mercado de trabalho
c-) Acompanhar e orientar algumas alunas que passarem pelos cursos oferecidos, na montagem de sua própria confecção, orientar qual o melhor mercado como também de fazer a facção. 
d-) Instrumentalizar os treinandos com habilidades e competências que possibilitem aos mesmos a participação efetiva no processo de industrialização do Estado de Mato Grosso.
e-)  Possibilitar a produção de confecções com qualidade internacional, capaz de competir com outros mercados, aumento da oferta de mão-de-obra qualificada e aumento de geração de emprego e renda.  
f-)Integrar ações educacionais às expectativas da sociedade e às tendências do setor produtivo. 
g-) Formar profissionais na área de confecções, habilitando-os com domínio de competência e habilidades, de forma a garantir condições e permanência no mercado de trabalho.
 
Atividades desenvolvidas
• cursos de costura básica, 
• malharia, 
• corte e modelagem
 
Equipe: Responsável – Luiz Fernando Caldart, mais três monitores e coordenador de área
 
Público alvo:  mulheres sem renda
 
Beneficiários: cerca de 800 alunos – foram efetivadas 80 costureiras e 40 auxiliares de  produção pela empresa BB Fértil Industria e Comércio de Bags Ltda.
Obras e Infraestrutura

 

Prazo: 01/10/2004 a 30/11/2004
Situação do projeto: inativo
Realizador: Escola Municipal Paraíso (Associação de Pais e Mestres)
Parceiros: Facual
 
Descrição: Implantação de laboratório de informática com acesso à internet
 
Atividades desenvolvidas: aquisição de equipamentos de informática
Agricultura Familiar

 

Prazo: 23/11/2004 a 30/09/2005
Situação do projeto: Inativo
Realizador: Fundação Centro Oeste
Parceiros: Facual
 
Descrição: Mato Grosso é o primeiro produtor nacional de algodão, em área cultivada (312,8 mil hectares), produção de pluma (388,4 mil t) o que corresponde a 50,8% da produção nacional. O sistema de produção do algodoeiro, predominantemente na região do cerrado deste estado caracteriza-se pelo uso intensivo de insumos e defensivos, e pela alta utilização de máquinas. Apesar da aptidão e do desempenho, dois entraves comprometem a manutenção e a ampliação da atividade algodoeira no Estado. São estes: o elevado custo de produção (US$1.100,00/ha) e a predominância da cultivar CNPA ITA 90 que, apesar de altamente produtiva, é susceptível a viroses e doenças foliares que ocorrem normalmente na região. Assim, o objetivo deste projeto é dar continuidade ao programa de melhoramento do algodoeiro, iniciado em 1989 pela Embrapa, com o objetivo de desenvolvimento, adaptação e avaliação de cultivares de algodoeiro à exploração no cerrado e na agricultura familiar, que sejam produtivas, adaptadas às condições edafoclimáticas do Estado de Mato Grosso e que apresentem elevado grau de resistência às viroses e a outras doenças foliares de maior importância regional. Para isto, será conduzido um programa completo de melhoramento do algodoeiro, envolvendo: implantação de Banco Ativo de Germoplasma, produção de população segregantes, seleção de genitores, progênies e linhagens, avaliação de linhagens avançadas e de cultivares obtidas a nível estadual, regional ou nacional, nas principais regiões produtoras do Estado, além da condução de parcelões demonstrativos, onde serão avaliados comportamentos das cultivares, em escala comercial em dois níveis tecnológicos de manejo (médio e alto), em termos de utilização intensiva de insumos. Simultaneamente, serão multiplicadas sementes genéticas e fornecimento aos produtores de semente do estado, visando fornecimento aos produtores familiares e empresariais do Mato Grosso, das melhores cultivares obtidas a cada ano.
 
Atividades desenvolvidas: Obtenção e avaliação de híbridos, progênies e linhagens de algodoeiro de fibras brancas e coloridas; Identificação de uma cultivar adaptada para o cerrado do Estado de Mato Grosso com potencial para uso comercial, no prazo de um ano; Identificação de uma cultivar adaptada para as condições de agricultura familiar do Estado no período de um ano; Produção de sementes genéticas das linhagens com potencial para uso comercial do Estado.
Agricultura Familiar

 

Prazo: 15/10/2004
Situação do projeto: Inativo
Realizador: FETAGRI-MT
Parceiros: Facual
 
Descrição: No ano de 2001 a Embrapa lançou, uma cultivar de algodão naturalmente colorido, denominada BRS 200 Marrom, que foi testada e avaliada através de unidade demonstrativa em vários locais, por agricultores de estrutura familiar do Estado de Mato Grosso. No ano agrícola 2002/2003 e 2003/2004 foram implantadas lavouras comerciais em seis municípios do estado, sendo que a produtividade alcançado não foi a esperada, tendo como causa o plantio fora da época recomendada pela pesquisa, devido o atraso na entrega da semente pela empresa contratada para sua produção de semente ao beneficiamento do algodão, tendo como apoio a implantação de uma mini usina de beneficiamento e cada cooperativa.
Por outro lado a sustentabilidade das atividades agrícolas na pequena propriedade está atrelada a vários fatores de produção como clima, manejo de solo, pragas e doenças, cultivares adaptada, controle de qualidade, dentre outros, além de sólidos processos de organização de produtores, plano organizado de divulgação e canais de comercialização. Nesse cenário, a qualidade das sementes utilizadas constitui um importante fator para o sucesso das culturas, garantindo uma boa emergência em campo, com plantas uniformes e vigorosas, refletindo diretamente na produtividade. No caso específico do algodão BRS 200 Marrom, objeto deste programa, reúne resultados de muitos anos de pesquisa, constituindo-se um material de alto valor agregado, devendo ser reutilizado como semente nas safras seguintes. 
 
O projeto teve como objetivo principal, a viabilização da cultura do algodão a nível de agricultura familiar em Mato Grosso, acompanhado o processo organizacional e operacional das cooperativas, coopergloria e cooperalco, que estão em fase final de legalização, da ênfase a capacitação do corpo técnico, para que os mesmos possam capacitar os produtores e prestar uma assistência técnica de alto nível aos produtores. Desta forma poder estruturar o sistema da produção de sementes até o beneficiamento.
Melhorar a qualidade de vida do pequeno produtor rural e promover o desenvolvimento sustentável da cultura do algodão como parte dos arranjos produtivos locais, agregando valores à produção, gerando renda aos agricultores familiares, e melhorando a sustentabilidade da atividade, através de inovações organizacional e tecnológicas
 
Equipe: Adelar Umberto Schons – Engenheiro Agrônomo; Ellen Silva da Costa – Geógrafa; Edvaldo Antunes da Costa – Téc. Contabilidade
Agricultura Familiar

 

Prazo: setembro/2003
Situação do projeto: Inativo
Realizador: FETAGRI/MT
Parceiros: SEBRAE / UNISELVA 
 
Descrição: No diagnóstico “Cadeia Produtiva da Pequena Produção de Algodão no Estado de Mato Grosso”, realizado pelo SEBRAE/MT e UNIVAG, detectou-se uma dificuldade no segmento de industrialização e comercialização de derivados do algodão familiar.
Esta proposição fortalece os desenvolvimentos recentes da pesquisa e extensão rural do algodão colorido, auxiliando na identificação de características do mercado dos diferentes derivados do algodão colorido (pluma, fio, malha e confecções), buscando estabelecer um ambiente estruturado, principalmente no que se refere à capacitação e formação da mão-de-obra e geração de informações de mercado. O objetivo posterior é a  implantação de novas empresas de base familiar, as quais irão compor os segmentos de beneficiamento da pluma, da fiação, da tecelagem e da confecção, oferecendo maior competitividade e abrindo mercados para os produtos derivados do algodão colorido familiar.
O desenvolvimento da cadeia como um todo oferecerá maiores oportunidades de emprego e geração de renda. O projeto piloto será implantado em um dos pólos tradicionais de produção. Outro possível resultado será a formação de novos “Arranjos Produtivos Locais” com ênfase em derivados do algodão, acompanhando as recentes recomendações deste projeto para viabilizar a cotonicultura familiar no Mato Grosso.
 
Objetivos:
. Desenvolver e preparar produtores e a comunidade inserida no programa de fortalecimento da cotonicultura familiar do Estado de Mato Grosso,
. estimular parcerias e ambientes de rede de apoio
. propiciar agregação de valor através da identificação e do fortalecimento do acesso aos mercados de pluma, fio, malha e confecções de algodão colorido, 
. capacitação de grupos produtivos artesanais e 
. estabelecimento de um plano de negócios e projeto de viabilidade técnico-financeira para implantação de unidade produtiva de confecção utilizando produtos derivados do algodão colorido. 
 
Público alvo: Produtores e a comunidade inserida no programa de fortalecimento da cotonicultura familiar do Estado de Mato Grosso
 
Equipe: Adriano Marcos Rodrigues Figueiredo – Uniselva
Marisbeth Maria Gonçalves – Sebrae
 
Atividades desenvolvidas: Identificação e análise dos canais de comercialização da cadeia algodão/têxtil utilizados pelos agricultores familiares no Estado de Mato Grosso; capacitação de grupos produtivos artesanais; elaboração de um plano de negócios e projeto de viabilidade técnico-financeira para implementação de uma confecção com matéria-prima diferenciada.
Agricultura Familiar

 

Prazo: 08/08/2003 a 31/12/2004
Situação do projeto: Inativo
Realizador: Sebrae
Parceiros: Facual
 
Contexto: o programa Algo D+ Algodão como Alternativa de Geração de Emprego e Renda, tem como objetivo o fortalecimento do arranjo produtivo do algodão na região de Rondonópolis, considerando os elos da tecelagem e indústria de confecção. O mesmo teve como base o projeto Desenvolvimento de Oficinas de Fiação e Tecelagem Manual, evidenciando-se que é possível agregar valor ao algodão favorecendo a comunidade em geral. O desejo das pessoas envolvidas com o projeto em se organizar através de uma unidade produtiva confirma e impulsiona para a continuidade dos trabalhos.
A capacidade de mobilização e os resultados do projeto despertaram os interesses de um importante elo da cadeia produtiva do algodão – o da indústria de confecção bem como interesse de outros municípios, fatos estes que levam à ampliação deste trabalho, a fim de beneficiar um contingente maior de pessoas e municípios.
Com a implementação das ações propostas neste Programa, espera-se criar na comunidade e empresas envolvidas, uma visão de futuro em que Rondonópolis se torne uma referência no setor de confecção e tecelagem.
 
Descrição: desenvolver e preparar empresas e empreendedores inseridos no arranjo produtivo do algodão na região da Grande Rondonópolis, considerando os setores de tecelagem manual e confecção, através do estímulo ao estabelecimento de parcerias e ambientes de rede de apoio, visando a criação de uma marca própria, agregação de valor, fortalecimento e acesso a novos mercados.
 
Equipe: Elizabeth Izidória de Amorim Ferreira, Marisbeth Maria Gonçalves , Leide Garcia Novaes Katayama.
 
Local: Rondonópolis
 
Atividades desenvolvidas: Oficina de Fiação Artesanal de Algodão
Oficinas de Tingimento Natural
Oficina de Tecelagem Manual
Oficina Técnica de Produto
Seminário de Cooperação
Agricultura Familiar

 

Prazo: setembro / 2003
Situação do projeto: Inativo
Realizador: FETAGRI, FUNDAPER
Parceiros: EMPAER, SEBRAE, EMBRAPA, UNIVAG, UFMT, EMBRAPA-UEP, SEDER, INDEA, Banco do Brasil, Facual.
 
Contexto: O Programa Alternativo para o Desenvolvimento Sustentável da Cotonicultura Familiar de Mato Grosso, é fruto de uma parceria da FETAGRI, com as entidades FUNDAPER, EMPAER, SAAF, EMBRAPA, UNIVAG, UFMT, SEBRAE, DFA, INDEA, BANCO DO BRASIL, e outras, com apoio financeiro do Facual. O algodão é uma cultura social e economicamente importante para a agricultura família de Mato Grosso, gerando renda e contribuído para a fixação das famílias no meio rural. 
O Estado de Mato Grosso é o maior produtor de algodão do país. Durante décadas, a agricultura familiar foi responsável pelo fortalecimento da pluma para a indústria têxtil e até mesmo para a exportação. O Programa tem como objetivo apoiar a produção do algodão em nível de agricultura familiar, com o desenvolvimento de novas tecnologias, introdução do algodão de fibra naturalmente colorida, ecológico, organização e verticalização da produção. Para isso é necessário uma assistência técnica efetiva, a capacitação de técnicos e das famílias dos produtores para as inovações tecnológicas e implementação de projetos complementares.
 
Objetivos: Promover o Desenvolvimento sustentável da cultura do algodão, agregando valores à produção, gerando renda aos agricultores familiares, e melhorando a sustentabilidade da atividade, através de inovações tecnológicas. 
 
Público alvo: produtores familiares
 
Beneficiários: 200 produtores
 
Equipe: Ellen Silva da Costa – Geógrafa ; Adelar Umberto Schons – Engenheiro Agrônomo eEdvaldo Antunes da Costa – Téc. Contabilidade 
 
Local: Pedra Preta, Gloria D’Oeste, Porto Esperidião, São José do Povo, Porto Estrela, Barra do Bugres, Dom Aquino, Jaciara, Juscimeira, Jangada, Colíder e Nova Guarita.
 
Atividades desenvolvidas
– Prestar assistência técnica e gerencial a 200 agricultores familiares distribuídos em 13 municípios do Estado;
– Apoiar 200 produtores no beneficiamento e comercialização;
– Apoiar a organização de 03 grupos pilotos de artesãos;
– Apoio a implantar 01 Mini Usina de beneficiamento.
Educação e Pesquisa

 

Prazo: 02/05/2003 a 31/10/2003
Situação do projeto: Inativo
Realizador: SENAI
 
Descrição: Para viabilizar e tornar competitiva a agroindústria no Estado de Mato Grosso, é necessária a padronização dos processos de plantio, colheita transporte, beneficiamento e armazenamento da pluma. A mecanização de toda a cadeia produtiva agrícola levou o empresário do setor a investir pesadamente em caríssimas máquinas e equipamentos agrícolas, produtos esses, de alta tecnologia, exigindo portanto, mão-de-obra especializada, e um serviço de apoio técnico à altura. Analisando que a mão-de-obra é fator de extrema importância para o perfeito funcionamento das máquinas e equipamentos agrícolas, produtos esses, de alta tecnologia , exigindo portanto, mão-de-obra especializada. 
 
Objetivos:
– Proporcionar conhecimento e oportunidade à classe de baixo poder aquisitivo, 
– permitir a aquisição de condições efetivas no mercado de trabalho, 
– atender a demanda específica das empresas do setor e formar cidadão produtivo, que possa contribuir para a melhoria da qualidade.
Agricultura Familiar

 

Prazo: outubro/2002 a setembro/2003
Situação do projeto: Inativo
Realizador: FETAGRI
Parceiros: UNIVAG, FUNDAPER, SAAF/EMPAER, EMBRAPA, e Facual.
 
Descrição: O sistema de cultivo tradicional emprega muitos insumos para garantir altas produtividades, porém não oferece sustentabilidade econômica e ambiental, principalmente para agricultura familiar. Para a manutenção de temas sustentáveis de agricultura, especialmente em regiões de ecossistemas frágeis com solos que apresentam fixa capacidade de retenção organomineral, faz-se necessário a utilização de tecnologias alternativas que permitam conciliar a produção agropecuária com a manutenção dos recursos naturais, garantindo a utilização e a reciclagem de nutrientes no agroecossistema, bem como, a conservação da biodiversidade. Sendo assim, as comunidades poderão ter continuidade na produção agrícola, permitindo acesso a melhor qualidade de produto sem  a deterioração do ambiente.
Serão testados adubos verdes, espécies de plantas herbáceas da família das leguminosas, antecedente ao plantio de algodão, como será o caso da mucuna-preta, crotalária e feijão-guandú, além do cultivo conjunto com a cultura do algodão, sendo efetuado com a puerária (cudzu) e/ou soja perene. As variáveis a serem avaliadas serão: análise de rotina do solo, análise foliar, rendimento da cultura principal e rentabilidade econômica.
Este projeto tem caráter de pesquisa no sentido de avaliar diferentes adubos verdes, ou seja, plantas com características de fixação de nitrogênio atmosféricos, manejados de forma antecedentes e conjuntamente com a cotonicultura. O resultado previsto como produto da pesquisa será a definição de manejo agroecológico que mantenha e/ou melhore as condições de fertilidade do solo sob a cultura de algodão em condições de agricultura familiar.  
 
Equipe: Fabiano Rodrigues da Matta; Adelar Umberto Schons; Alessandro Ferronato; Edgar Alfredo Tzi Tziboy; Mirian Arabela da Silva Serrano; Hilário Hartmman; Márcio Castrillon; Luiz Gonzaga Chitarra; Marivaldo dos Reis Lima; Osvaldo José de Oliveira;
José Luiz de Siqueira; Vanderley Severino dos Santos; Dimorvanh Alecar Brescancim e
Maria José Paes Santos.
 
Local: Várzea Grande e Cáceres
Atividades desenvolvidas: Amostragem do solo, preparo do solo, adubação e plantio, desbastes/cobertura, controle de pragas/ervas, colheita, tabulação de dados, análise estatística.
Agricultura Familiar

 

Prazo: setembro/2002
Situação do projeto: Inativo
Realizador: FUNDAPER/EMPAER
Parceiros: PROALMAT, Facual.
 
Descrição: Diagnóstico recente mostra que a cultura do algodão na agricultura familiar está em decadência, sendo cultivadas em pequenas áreas, com baixo nível tecnológico, colheita manual e desorganização dos produtores no processo de comercialização, que se baseia, ainda, na oferta do algodão em caroço. Para reverter a tendência de redução de área e dar sustentabilidade à cultura nessas condições, torna-se necessário que os sistemas de produção vigentes sejam sustentados pelo uso de cultivares produtivas, pouco exigentes em insumos modernos, resistentes às principais doenças, adaptadas às condições de cultivo desse segmento de produção e com características de fibra que viabilizem o desenvolvimento e valorização dos trabalhos e produtos artesanais e/ou alternativos, gerando renda e oferecendo empregos a milhares de famílias rurais desamparadas.
Nesse contexto, a adequação de sistemas de produção apropriados a esta realidade  representa um desafio para os serviços de Pesquisa & Desenvolvimento, assistência técnica e Extensão Rural e Ensino Superior de Mato Grosso. Somente uma efetiva articulação inter-institucional, com apoio do PROALMT/FACUAL, conseguira organizar os diferentes setores da cadeia produtiva do algodão familiar, viabilizando renda, emprego e cidadania aos diversos atores da cadeia, de maneira muito especial, doas produtores rurais e suas famílias. Adicionalmente, para dar sustentabilidade à cultura do algodão familiar é necessário que os sistemas de produção tenham bem definidos os seus processos (épocas de plantio, recomendação de adubação, população de plantas e outros ) e utilizem cultivares produtivas, resistentes às principais doenças e pragas  (vetores de doenças), adaptadas às condições de cultivo da agricultura familiar e com características de fibra que viabilizem o desenvolvimento de trabalhos artesanais, como estratégia de redução de custos/riscos, agregação de valor e integração dos elos (produção x industrialização x comercialização).
 
Objetivos
– Avaliar e indicar para plantio cultivares resistentes a doenças e adaptadas às condições usuais de cultivo da agricultura familiar;
– Avaliar e indicar cultivares de fibra extra-longa e colorida para o desenvolvimento e valorização dos trabalhos artesanais da agricultura familiar;
– Validar práticas de manejo e caracterizar as cultivares introduzidas na agricultura familiar.
 
 
Equipe: Eurípedes Maximiano Arantes
José dos Santos Silva – Técnico Agrícola
Nivaldo do Espírito Santo – Técnico Agrícola
Nilseu Ferrato – Técnico Agrícola
Moacir Buffet – Técnico Agrícola
Wanderley Conceição Araújo – Técnico Agrícola
Maurílio Bueno Margalhães – Engenheiro Agrônomo
Marcio Castrillon Mendes – Engenheiro Agrônomo
Eleusio Curvelo Freire – Engenheiro Agrônomo
Luis Gonzaga Chitarra – Engenheiro Agrônomo
Adelar Umberto Schons – Engenheiro Agrônomo
Andréa Quixabeira Machado – Engenheiro Agrônomo
 
Atividades desenvolvidas: Amostragem do solo, preparo do solo, adubação e plantio, desbastes/cobertura, controle de pragas/ervas, colheita, tabulação de dados, análise estatística.
Educação e Pesquisa

 

Prazo: fevereiro/2002 a maio/2002
Situação do projeto: Inativo
Realizador: FETAGRI
Parceiros: Facual
 
Descrição: Foi observado que a maioria das reclamações trabalhista, poderia ser evitada , se na hora da homologação da rescisão do contrato de trabalho, os dirigentes sindicais estivessem melhor capacitados para que pudessem orientar e se posicionar melhor. O projeto visa a capacitação dos funcionários, assessores e dirigentes do Sindicatos dos Trabalhadores Rurais do Estado de Mato Grosso, sobre legislação trabalhista rural, de forma a orientá-los sobre os direitos rescisórios para que possam proceder a homologação de contratos de trabalho de forma correta. 
 
Público alvo: lideranças, funcionários e assessores sindicais, envolvendo as representações dos trabalhadores e dos empregadores.
 
Beneficiários: 240 pessoas
 
Equipe: Naildo dos Santos e Dr. Marcos Dantas Teixeira
 
Atividades desenvolvidas: Realização de oito cursos micro regionais, de Noções Básicas em Legislação Trabalhista para o meio rural; Treinamento de duzentos e quarenta lideranças, funcionários e assessores sindicais, envolvendo as representações dos trabalhadores e dos empregadores; Credenciamento no mínimo uma pessoa por município para desenvolver os procedimento de homologação das rescisões contratuais.
Agricultura Familiar

 

Prazo: janeiro/2002 a junho/2002
Situação do projeto: Inativo
Realizador: Ampa
Parceiros: Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada – CEPEA/ESALQ/USP e Facual
 
Descrição: Desenvolvimento, levantamento e análise de um sistema adequado de acompanhamento do custo de produção da lavoura algodoeira em duas regiões importantes no estado de Mato Grosso.
 
Equipe: Joaquim Bento de Souza Ferreira Filho e Augusto Hauber Gameiro
 
Local: Rondonópolis e Sorriso
 
Atividades desenvolvidas: montagem de planilhas de custo de produção aproximadas às realidades das regiões a serem pesquisadas; realização de dois painéis nas regiões em estudo com a presença de produtores representativos e técnicos especializados na cultura; trabalho de escritório visando o aprimoramento dos resultados obtidos nos painéis de aperfeiçoamento das planilhas facilitando o seu posterior uso adequado por parte dos produtores; apresentação dos resultados obtidos aos produtores e a sua associação.
Confecção

Prazo: 04/2002 à 10/2002

Situação do projeto: Inativo
Realizador: SEBRAE
Parceiros: Facual, CENFOR, PROSOL
 
Contexto: O Projeto Desenvolvimento de Oficinas de Fiação e Tecelagem Manual, divulgado junto a comunidade como Projeto Algo D+ – Algodão como Alternativa de Trabalho e Renda no Artesanato, é fruto da parceria entre várias entidades ligadas à cadeia produtiva do algodão (Facual, Sebrae-MT, CENFOR e Governo do Estado). Este projeto teve como objetivo despertar a comunidade para a possibilidade de agregar valor ao algodão gerando ocupação e renda.
 
Objetivos
• Resgate e ampliação da cultura da fiação e tecelagem na região;
• Aproveitamento da matéria prima local;
• Agregação de valor  à produção local;
• Geração de ocupação para pessoas ociosas, principalmente mulheres em idade ativa;
• Geração de renda para as famílias envolvidas no Projeto;
• Estímulo ao trabalho cooperativo;
• Implantação de Núcleos de fiação e tecelagem manual.
 
Público alvo: pessoas da comunidade do município de Rondonópolis
 
Beneficiários: 260 passaram por todas as fases do projeto. Total:960 participantes.
 
Atividades desenvolvidas
• Palestra seleção e cadastramento; 
• Oficina de Fiação; 
• Oficina de Tingimento; 
• Oficina de tecelagem; 
• Oficina de Design; 
• Seminário de Cooperação.
Confecção

 

Prazo: 04/06/2002
Situação do projeto: Inativo
Realizador: SEDUC
Parceiros: Facual
 
Descrição: Implantação de uma oficina de confecção em Rondonópolis, com vistas a dotar o município e região de profissionais qualificados para atender as necessidades das confecções existentes e de outras que se instalarão, aumentando a oferta de mão-de-obra qualificada e contribuir para o aumento de geração de emprego e renda.
 
Beneficiários: de 12 a 15 alunos por turno.  
 
Equipe: Maria Neuza Salles, Marlene de Oliveira Borges, Maria Aparecida de Fátima Barros, Maria Roselinda dos Reis Gonçalves
 
Local: Rondonópolis 
 
Atividades desenvolvidas
• Curso de corte e costura industrial, 
• Curso de malharia, 
• Curso de Langerie, 
• Curso de modelagem e corte industrial
Agricultura Familiar

 

Prazo: setembro de 2002
Situação do projeto: Inativo
Realizador: Fetagri
Parceiros: UNIVAG, Facual.
 
Descrição: A agricultura familiar foi a responsável pelas primeiras produções de algodão no Estado de Mato Grosso, hoje o Estado é o maior produtor brasileiro de algodão com 370 mil hectares e produtividade de até 3.375 kg/há., sendo que a maior parte da cultura se maneja na forma convencional em grande escala, empregando tecnologia de ponta no Estado. Neste sistema têm se implantado práticas de conservação e manejo de solos para diminuir a degradação química e física com alguns resultados promissórios. Porém, devido à falta de acesso de informações e recursos, o pequeno agricultor na maioria das vezes, não consegue manejar a cultura de forma sustentável que é a alternativa atual para conservação dos recursos naturais que também fornece um mercado de produtos agrícolas diferenciados. Através deste enfoque o agricultor pode manter a qualidade produtiva para um mercado especifico e aproveitar eficientemente a área de lavoura para assegurar seu sustento. O manejo sustentável tem uma forte base na adubação orgânica, no caso adubação verde, controle preventivo fitosanitário com defensivos alternativos, e arranjo de cultivo do algodoeiro que são temas de estudo no projeto de pesquisa. A pesquisa avaliará os efeitos destes componentes do manejo da cultura na ciclagem de nutrientes, variações de armazenamento de água no solo, produtividade, controle preventivo das pragas e doenças, mudanças na biomassa microbiana do solo e na matéria orgânica.
 
Descrição: Avaliação de práticas de manejo agroecológico de consórcio e rotação, utilização de adubação verde e controle fitosanitário alternativo na cultura do algodão para agricultura familiar na região de Cáceres, Várzea Grande e São Vicente da Serra, MT.
 
Equipe: Alessandro Ferronato – Engenheiro Agrônomo; Edgar Alfredo Tzi Tziboy – engenheiro agrônomo e Fabiano Rodrigues da Matta. 
 
Atividades desenvolvidas: Revisão de literatura; Caracterização física e química do solo; correção do solo; preparo do solo; Implantação do subprojeto 1 2 e 3; Práticas culturais; Determinação da massa microbiana; Determinação da água no solo; Monitoramento e tratamento das doenças; Avaliação da produtividade dos arranjos; Determinação da curva de retenção de água no solo; Biometria das plantas; Tabulação dos dados; Análise dos dados.
Agricultura Familiar

 

Prazo: janeiro/2002 a novembro/2002
Situação do projeto: Inativo
Realizador: Omar Roberto da Silveira
Parceiros: Facual
 
Contexto: relevância econômico-social da cotonicultura mato-grossense; dificuldade encontrada no método de determinação no nível de controle do bicudo-do-algodoeiro através de amostragem de botões florais; e disponibilização de método mais prático, barato e confiável para indicação de momento de controle do bicudo-do-algodoeiro, usando-se armadilhas de feromônio.
 
Descrição: obtenção de um método para indicação do momento de controle do bicudo-do-algodoeiro através de armadilhas de feromônio, comparando-se níveis de danos causados a botões florais, determinados pelo método tradicional de amostragem, com índices de captura da praga em armadilhas instaladas em bordaduras de talhão.  
 
Público alvo: produtores que contém bicudo-do-algodoeiro em suas plantações.
 
Atividades desenvolvidas: instalação de armadilhas; coleta de dados; amostragem de dados; amostragem de botões florais; contagem de bicudos nas armadilhas; substituição de feromônios; sistematização de dados; dissertação; qualificação; defesa da dissertação.
Agricultura Familiar

 

Prazo: 20/09/2002
Situação do projeto: Inativo
Realizador: Fetagri/MT
Parceiros: Fundaper, SAAF, Empaer-MT, Sebrae, Embrapa Algodão, Univag, Embrapa UEP, Facual.
 
Contexto: este programa foi criado com finalidade de apoiar os agricultores familiares do estado de Mato Grosso a produzirem o algodão com tecnologias adequadas, capazes de proporcionar aumento de produtividade com menos custo de produção, emprego e renda, através da utilização de sementes de qualidade, assistência técnica, crédito de custeio, apoio na comercialização, resgate de uso do algodão em trabalhos artesanais e acompanhamento direto a todos os produtores envolvidos. 
É fruto de uma parceria da Fetagri, com as entidades Fundaper, Empaer-MT, SAAF, Embrapa, Sebrae, Univag, DFA, Indea, Banco do Brasil e outras, com o apoio financeiro do Facual. Para a safra 2002/2003 o programa tem por objetivo apoiar a produção do algodão em nível de agricultura familiar, com o desenvolvimento de novas tecnologias, introdução do algodão de fibra naturalmente colorida, ecológico, e organização e verticalização da produção. Para isso é necessário uma assistência técnica efetiva, e implementação de projetos complementares constantes neste. Com estas medidas propõe-se, num período de 3 a 4 anos, organizar a cadeia produtiva do algodão em nível de agricultura familiar.
 
Descrição: promover o desenvolvimento sustentável da cultura do algodão, agregando valores à produção, gerando renda aos agricultores familiares e melhorando a sustentabilidade da atividade, através de inovações tecnológicas.
 
Público alvo: produtores familiares
 
Beneficiários: 200 produtores familiares
 
Equipe: Almir de Souza Ferro – Engenheiro Agrônomo
Adelar Umberto Schons – Engenheiro Agrônomo
Fabiano da Mata – Engenheiro Agrônomo
Marisbeth Gonçalves – Administradora de Empresa
Maria do Carmo H. C. Snowareski – Administradora de Empresa
 
Local: Cuiabá, Pedra Preta, Dom Aquino, Juscimeira, Jaciara, São José do Povo, Porto Esperidião, Gloria do Oeste, Curvelândia, Mirassol D’Oeste, Porto Estrela, Barra do Bugres, Carlinda e Diamantino.
 
Atividades desenvolvidas: prestação de orientação técnica e gerencial aos agricultores, nos aspectos de produção, industrialização, comercialização, organização e meio ambiente; resgate do uso do algodão em trabalhos artesanais; redução do impacto de agrotóxicos no meio ambiente, através de técnicas ecológicas de controle de pragas; introdução do algodão de fibra naturalmente colorida com alternativa de agregação de valor; definição de sistema adequado de produção para o algodão de fibra naturalmente colorida; implantação de miniusina, como projeto piloto, para início da verticalização da cadeia produtiva do algodão; garantia de fixação dos agricultores no campo para melhoria das condições de vida das suas famílias.
Agricultura Familiar

 

Prazo: 20/09/2002
Situação do projeto: Inativo
Realizador: FETAGRI/MT
Parceiros: FUNDAPER, SAAF, EMPAER-MT, SABRAE, EMBRAPA Algodão, UNIVAG, EMBRAPA UEP, Facual.
 
Contexto: Este programa foi criado com finalidade de apoiar os agricultores familiares do estado de Mato Grosso a produzirem o algodão com tecnologias adequadas, capazes de proporcionar aumento de produtividade com menos custo de produção, emprego e renda, através da utilização de sementes de qualidade, assistência técnica, crédito de custeio, apoio na comercialização, resgate de uso do algodão em trabalhos artesanais e acompanhamento direto a todos os produtores envolvidos. É fruto de uma parceria da FETAGRI, com as entidades FUNDAPER, EMPAE-MT, SAAF, EMBRAPA, SEBRAE, UNIVAG, DFA, INDEA, BANCO DO BRASIL e outras, com o apoio financeiro do Facual. Para a safra 2002/2003 o programa tem por objetivo apoiar a produção do algodão em nível de agricultura familiar, com o desenvolvimento de novas tecnologias, introdução do algodão de fibra naturalmente colorida, ecológico, e organização e verticalização da produção. Para isso é necessário uma assistência técnica efetiva, e implementação de projetos complementares constantes neste. Com estas medidas propõe-se num período de 3 a 4 anos organizar a cadeia produtiva do algodão a nível de agricultura familiar.
 
Descrição: Promover o desenvolvimento sustentável da cultura do algodão, agregando valores à produção, gerando renda aos agricultores familiares, e melhorando a sustentabilidade da atividade, através de inovações tecnológicas.
 
Público alvo: produtores familiares
 
Beneficiários: 200 produtores familiares
 
Equipe: Almir de Souza Ferro – Engenheiro Agrônomo
Adelar Umberto Schons – Engenheiro Agrônomo
Fabiano da Mata – Engenheiro Agrônomo
Marisbeth Gonçalves – Administradora de Empresa
Maria do Carmo H. C. Snowareski – Administradora de Empresa
 
Local: Cuiabá, Pedra Preta, Dom Aquino, Juscimeira, Jaciara, São José do Povo, Porto Esperidião, Gloria do Oeste, Curvelandia, Mirassol D’oeste, Porto Estrela, Barra do Bugres, Carlinda e Diamantino.
 
Atividades desenvolvidas: Prestação de orientação técnica e gerencial aos agricultores, nos aspectos de produção, industrialização, comercialização, organização e meio ambiente; Resgate do uso do algodão em trabalhos artesanais; Redução do impacto de agrotóxicos no meio ambiente, através de técnicas ecológicas de controle de pragas; Introdução do algodão de fibra naturalmente colorida com alternativa de agregação de valor; Definição de sistema adequado de produção para o algodão de fibra naturalmente colorida; Implantação de Mini Usina, como projeto piloto, para início da verticalização da cadeia produtiva do algodão; Garantia de fixação dos agricultores no campo para melhoria das condições de vida das suas famílias. 
 
 
 
Agricultura Familiar

 

Prazo: 16/05/2002 a 30/06/02
Situação do projeto: Inativo
Realizador: Fetagri
Parceiros: Facual
 
Descrição: realização de quatro dias de campo para pequenos produtores (mão de obra familiar), para promover a difusão de novas tecnologias para um público de aproximadamente 240 pessoas (pequenos produtores, técnicos, lideranças e pessoas ligadas à exploração do agronegócio do algodão em pequena propriedade). Promover discussões durante os eventos sobre as dificuldades e oportunidades para pequenos produtores de algodão, enfatizando: diversificação de culturas, cultura do algodoeiro (cultivares, manejo, custo de produção) e organização dos produtores.
 
Público alvo: pequenos produtores, técnicos, lideranças e pessoas ligadas à exploração do agronegócio do algodão em pequena propriedade.
 
Beneficiários: cerca de 240
Agricultura Familiar

 

Prazo: 23/02/2001 a 31/12/2001
Situação do projeto: Inativo
Realizador: FETAGRI
 
Descrição: Produção e disponibilização de sementes da cultivar 171 BRS FACUAL para os pequenos produtores cadastrados e a serem cadastrados no Programa de Apoio à Cultura do Algodão para Agricultores Familiares do Estado de Mato Grosso.
Agricultura Familiar

 

Prazo: dezembro/2001 a dezembro/2003
Situação do projeto: Inativo
Realizador: FUNDAPER
Parceiros: Embrapa, FETAGRI,e Facual.
 
 
Descrição: Durante décadas, a agricultura familiar foi responsável pelo fornecimento de matéria prima em forma de pluma para a indústria têxtil e até mesmo para a exportação, porem com o passar do tempo, a produção do algodão foi concentrando-se nas mãos de grandes produtores e hoje no Mato Grosso, na região, denominada de terra de cultura, existem aproximadamente 3.000ha de lavouras de algodão explorada por 800 agricultores familiares, com nível baixo de mecanização e grandes dificuldades de convivência com as pragas da cultura, especialmente o bicudo. Porem, a agricultura familiar apresenta grande potencial para a produção de produtos de alto valor agregado, como é o caso do algodão de fibra naturalmente colorida e de algodão de fibra longa, com vistas a atender novos nichos de mercado, demandados pela industria têxtil e pelos usuários de roupas de cor natural. Para viabilizar a permanência com dignidade destes agricultores no campo, necessário se faz dota-los destas tecnologias para que os mesmos possam expressar todo o seu potencial produtivo. A presente proposta tem como objetivo produzir  sementes básica de algodão de fibra naturalmente colorida e de fibra longa a partir da implantação, condução de campos de produção de sementes de área de 1ha para cada tipo de algodão para serem distribuídas com produtores da agricultura familiar, na safra de 2002/2003. a condução da cultura seguirá as orientações técnicas da Embrapa Algodão e a presente proposta terá o apoio e a colaboração da FETAGRI.
 
Objetivos: Implantação de 1 ha de algodão de fibra naturalmente colorida e 1 ha de algodão de fibra longa, no município de Primavera do Leste, com vistas a produção de sementes básicas para a distribuição aos produtores de agricultura familiar.
 
Público alvo: produtores de agricultura familiar de Primavera do Leste 
 
Equipe: Francisco José Correia Farias; Eleusio Curvelo Freire + um Auxiliar
 
Local: Primavera do Leste
 
Atividades desenvolvidas: Produção de pelo menos 1500 kg de semente de algodão de fibra naturalmente colorida e 1800 kg de semente de algodão de fibra longa, no prazo de um ano; Distribuição com agricultores de agricultores de agricultura familiar das sementes de algodão de fibra naturalmente colorida e sementes de algodão de fibra longa, no prazo de um ano.
Agricultura Familiar

 

Prazo: Out./2001 a set/2002
Situação do projeto: Inativo.
Realizador: Fetagri – Federação dos Trabalhadores na Agricultura no Estado de Mato Grosso.
Parceiros: Fundaper – Fundação de Amparo à Pesquisa, Assistência Técnica e Extensão Rural, Sebrae – Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas de Mato Grosso, Empaer – MT – Empresa Mato-grossense de Pesquisa, Assistência Técnica e Extensão Rural, Embrapa – Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária e Facual.
 
Contexto: o algodão tradicionalmente cultivado por pequenos produtores nas regiões de Rondonópolis, Cáceres, Colider e Juína, passou por um longo período de queda de produção e produtividade, agravado por baixos preços e dificuldades na comercialização do produto. Com o advento do Proalmat e do Facual, a par dos estímulos que o Governo Estadual está oferecendo aos produtores, a cultura reassume o papel de alternativa viável na busca de sustentabilidade das pequenas propriedades. 
 
Descrição: criação de mecanismos para o aumento da produção e produtividade, gerando emprego e renda para os agricultores familiares e melhorando a sustentabilidade da propriedade, através da implantação de uma equipe de assistência técnica/extensão rural, divulgação do programa e das inovações tecnológicas para a cultura do algodão, apoio ao beneficiamento da produção e comercialização do algodão em pluma, apoio a organização dos produtores e resgatar o uso do algodão em trabalhos artesanais.
Público alvo: produtores tradicionais com a cultura do algodão, representante do Sindicato dos Trabalhadores, Presidentes de Associações de Produtores Rurais, representantes do Banco do Brasil S/A, Secretário Municipal de Agricultura, técnicos da Empaer e demais representantes de órgãos públicos ligados ao setor, representantes do Conselho Municipal de Desenvolvimento Rural – CMDR,  agentes de comercialização de algodão e demais interessados.
 
Local: Glória D’Oeste, Juscimeira, Colíder, Carlinda, Nobres, Porto Estrela, Pedra Preta, São José do Povo.
Atividades desenvolvidas: sensibilização de lideranças e comunidades rurais para a organização comunitária; capacitação de técnicos, produtores e trabalhadores rurais nas áreas pólos; reorganização do sistema ATER; consórcios regionais para a prospecção, pesquisa adaptativa e transferência de tecnologia; criação e ou revitalização dos CMDRS e núcleos regionais de produção e comercialização; articulação das entidades de classe x governo x instituições de apoio; plano de ação estratégico regional com responsabilidades financeiras definidas entre os parceiros.
Agricultura Familiar

 

Prazo: outubro/2000 a setembro/2001
Situação do projeto: Inativo
Realizador: Fetagri
Parceiros: Proalmat, Facual e Fundaper
 
Contexto: o algodão tradicionalmente cultivado por pequenos produtores nas regiões de Rondonópolis, Cáceres, Colíder e Juína, passou por um longo período de queda de produção e produtividade, agravado por baixos preços e dificuldades na comercialização do produto. Com o advento do Proalmat e do Facual, a par dos estímulos que o Governo Estadual está oferecendo aos produtores, a cultura reassume o papel de alternativa viável na busca de sustentabilidade das pequenas propriedades. 
A cultura do algodão já foi um item importante na agricultura familiar até o ano de 1995; a partir daí problemas tecnológicos, dependência de intermediários, falta de crédito de custeio, assistência técnica deficiente, fizeram com que os pequenos produtores ficassem de fora dessa importante atividade. A partir da safra 98/99, foi criado um programa de apoio à agricultura familiar, com apoio financeiro do Facual, visando superar os entraves citados; os resultados até agora obtidos indicam uma resposta altamente positiva dos produtores familiares ao estímulo, o que proporcionou a muitos aumentos significativos na renda. Constata-se que o trabalho realizado dentro da parceria Fundaper/Fetagri e outras entidades de apoio à pequena produção está trazendo grandes benefícios ao pequeno produtor, incentivando-o, inclusive, a buscar a sua organização. Pela impossibilidade de se atender todos os municípios do Estado, propõe-se trabalhar municípios pilotos, nas diferentes regiões de Mato Grosso, num total de 26 municípios.
 
Descrição: criar mecanismos para o aumento da área plantada, melhoria da produtividade, diminuição de custos, geração de empregos e renda para os agricultores familiares e racionalização no uso de agrotóxicos.
 
Equipe: Marcio Castrilon Mendes, Wilson Mauro da Silva e Nilceu, Garibaldi Toledo M. Junior, Mozart Caetano Nunes, Luiz Antônio Rodrigues, Marcio Mesquita da Costa Farias,  Luiz Antônio Rodrigues,  Antônio Alves da Cruz, Luiz Enrique Pires,  Dolorice Moretti, Maurílio Bueno Magalhães,  Adsom Nascimento Soares, Geovani Bensoni, Edilsom Wronski, Isaias Ribeiro de Oliveira,  Américo Dias, Mariano B. Campos,  Eudes do Carmo Nepomuceno, Hilário Hartmann, Francisco das Chagas Araújo Menezes,  Adelar Umberto Schons,  Mônica L. Amaral de Jesus, Fabio Sampaio,  Edivaldo José da Silva.
 
Local: Tangará da Serra e Nova Olímpia, Cuiabá, Pedra Preta, Dom Aquino, Juscimeira, Rondonópolis, Pontes e Lacerda, Porto Esperidião, Bauru, Glória do Oeste, São José dos Quatro Marcos, Mirassol D’Oeste, Colider, Nova Canaã do Norte, Nova Guarita, Carlinda, Novo Mundo, Matupá, Porto Estrela, São José do Rio Claro, Nobres.
Atividades desenvolvidas: seleção e cadastramento de produtores, análise do solo, elaboração dos projetos de custeio, liberação de crédito custeio, treinamento de técnicos, assistência técnica, aquisição e distribuição de sementes, reuniões técnicas, gerenciamento do programa, apoio à comercialização, contratação de técnicos, contratação de pessoal.
Agricultura Familiar

Prazo: outubro/2000 a setembro/2001

Situação do projeto: Inativo

Realizador: Fetagri

Parceiros: Fundaper eFacual


Contexto: a cultura do algodão já foi um item importante na agricultura familiar até o ano de 1995. A partir daí problemas tecnológicos, dependência de intermediários, falta de crédito de custeio, assistência técnica deficiente fizeram com que os pequenos produtores ficassem de fora dessa importante atividade. A partir da safra 98/99, foi criado um programa de apoio a agricultura familiar com suporte financeiro do Facual, visando superar os entraves citados.

Descrição: demonstrar em nível de pequenas propriedades as vantagens do uso de cultivares melhoradas e recomendadas pela pesquisa, seu potencial produtivo, resistência às principais doenças ocorrentes em Mato Grosso, características culturais facilitadoras ao cultivo manual, bem como suas vantagens quanto aos aspectos de rendimento e qualidade de fibras. Essas unidades demonstrativas serão implantadas em 10 municípios, dentro da área de ação do Programa de Agricultura Familiar, em propriedades representativas cujos proprietários tenham potencial de comunicação e difusão junto aos seus vizinhos.

Público alvo: produtores familiares de municípios do interior de Mato Grosso.

Beneficiários:800 produtores em disseminação com vizinhos

Equipe: Eurípedes Maximiano Arantes, Hilário Hartmann, Francisco Chagas Araújo Menezes, Adelar Umberto Schons, Marcio Castrillon Mendes

Local: Gloria D’Oeste, Porto Esperidião, Pontes e Lacerda, Porto Estrela, Pedra Preta, Colíder e Novo Mundo.

Atividades desenvolvidas: condução de sete unidades demonstrativas de cultivares comerciais e outras tecnologias de produção para a agricultura familiar; orientação técnica a 800 produtores com potencial de liderança junto aos seus vizinhos; preparação de unidades como instrumento de transferência de tecnologias, para serem utilizadas em eventos de difusão, especialmente “Dia de Campo” e “Visita Técnica”.

Agricultura Familiar

Prazo: 16/12/2000 a 30/09/2001

Situação do projeto: Inativo
Realizador: Fetagri
 
Contexto: Descrição: gerar e difundir sistemas racionais de cultivo de algodão envolvendo manejo e correção do solo, adubação e reguladores de crescimento que permitam menor custo e maior rentabilidade da cotonicultura no Estado de Mato Grosso; e investigar o efeito do espaçamento e densidade de plantio no desempenho da planta e no rendimento das cultivares e linhagens de alto potencial produtivo disponíveis no Estado de Mato Grosso.
Educação e Pesquisa

 

Prazo: 1999
Situação do projeto: Inativo
Realizador: EMPAER
 
Descrição: Desenvolver o “Projeto de Pesquisa Avaliação do Sistema de Produção de Algodoeiro Orgânico de Mato Grosso”; conduzir o experimento como unidade piloto no campo experimental da “EMPAER-MT” de Jaciara; pesquisar o cultivo orgânico de algodão no Estado de Mato Grosso, avaliando o controle de pragas e doenças com produtos naturais, a produtividade e a qualidade da fibra; oportunizar ao produtor um novo modelo em agricultura, capaz de viabilizar a agricultura familiar em Mato Grosso; avaliar sistemas de produção economicamente sustentáveis e ecologicamente equilibrados.
Educação e Pesquisa

 

Prazo: janeiro/98
Situação do projeto: Inativo
Realizador: FUNDAPER/EMPAER
Parceiros: EMRAPA, Facual
 
Descrição: A região Centro Oeste assumiu na safra 1996/97, a posição de primeira produtora de algodão em pluma do Brasil. Na safra 1998/99 foram plantados 356,5 mil hectares (48% da área nacional) onde estima-se que serão produzidos 334,2 mil toneladas de pluma correspondendo 68,3% da produção brasileira (CONAB,1999). Nesta região, encontra-se em expansão o modelo de produção de algodão a granel e beneficiamento em algodoeiras próprias ou arrendadas, com comercialização da pluma e dos subprodutos diretamente junto às indústrias de transformação. Este sistema além de altamente rentável foi apontado como o novo modelo para a cotonicultura nacional (Freire e Beltrão, 1997; Gonçalves, 1997). A expansão da cotonicultura no cerrado consolidou-se nas ultimas três safras, porém para sua expansão de maneira sustentável foi necessário a curto prazo, vencer o desafio da substituição das cultivares, suscetíveis a viroses por novas cultivares com resistência múltipla à doenças.
O projeto teve por objetivo oportunizar ao produtor um sistema de produção de algodão capaz de viabilizar a agricultura familiar em Mato Grosso; e avaliar sistemas de produção economicamente sustentáveis e ecologicamente equilibrados.
 
Equipe de Pesquisadores
Elêsio Curvelo Freire
Francisco José Correia Farias
Paulo Hugo Aguiar
Imre Lajes Gridi Papp
Márcio de Souza
Edina Regina Moresco
Alberto Francisco Boldt
Leonor Cristina de Oliveira
Eurípedes Maximiano Arantes
Vicente de Paulo Campos Godinho
Carmo Toledo Ferraz
Wilson Almeida
João Cecílio Farias de Santana
Francisco Pereira de Andrade
Luiz Paulo de Carvalho
Murilo Barros Pedrosa Marcelo Felício Marques
 
Local: Primavera do Leste, Rondonópolis, Nova Mutum, Alto Taquari, Sapezal, Campo Verde, Campo Novo dos Parecis, Gloria D’Oeste, Sorriso e Colíder.
Preservação Ambiental

 

Prazo:  1998
Situação do projeto: Inativo
Realizador: Prefeitura  de Sorriso 
 
Descrição: Sorriso um município em franco desenvolvimento, com sua pujança econômica baseada principalmente na agricultura, tornou-se um dos primeiros produtores de grãos do Estado de Mato Grosso, responsável por 1,5% da produção nacional.
 
Preocupados com os elevados índices de consumo de produtos fitossanitários na cultura do algodão e outras culturas, o município de Sorriso instalou a Central de Recebimento e Prensagem de Embalagens Tríplice Lavadas de Agrotóxicos – Projeto Sorriso, que, posteriormente realiza o encaminhamento à unidade Recicladora, absorvendo e recebendo embalagens de todos os produtores rurais do médio norte do Estado. Assim, são amenizados os efeitos ao meio ambiente.
 
Para o bom desenvolvimento deste trabalho, com reconhecimento a nível nacional, são recebidos na central embalagens apenas o material que passa pelo tratamento de tríplice lavagem.
 
O projeto pioneiro para a destinação de embalagens de agrotóxicos utilizados pelos produtores de algodão.
 
Local: Sorriso-MT
Preservação Ambiental

 

Prazo: 1998
Situação do projeto: Inativo
Realizador: ASSOCIAÇÃO DOS ENGENHEIROS AGRÔNOMOS
Parceiros: Facual
 
Descrição: Projeto pioneiro para a destinação de embalagens de agrotóxicos utilizados pelos produtores de algodão.
 
Local: Primavera do Leste
IMAmt - Instituto Mato-Grossense do Algodão
Rua Engenheiro Edgard Prado Arze, 1777 - Ed. Cloves Vettorato - 2 andar Quadra 03 - Setor A - Centro Político Administrativo
CEP: 78049-015 - Telefone: (65) 3624-1840
Cuiabá - Mato Grosso - Brasil