IMAmt alerta cuidados na destruição de soqueira em Circular Técnica

Foto: Edson Andrade Junior/IMAmt
A não destruição de soqueiras, ou seja, restos culturais de algodão podem ocasionar inúmeros prejuízos para a propriedade. Plantas rebrotadas são verdadeiras fontes de pragas e doenças para o novo ciclo, em especial para o bicudo do algodoeiro, a ramulária e as principais lagartas que atacam a cultura do algodão. A questão é debatida pelo Instituto Mato-grossense do Algodão (IMAmt) na Circular Técnica nº 41/2019.

Sob o título “Cuidados na destruição química de soqueira” os pesquisadores do IMAmt Edson Andrade Junior e Marcio Souza alertam que a destruição das soqueiras é obrigatória por lei, tanto que em Mato Grosso existe o Vazio Sanitário do Algodoeiro, normatizado pela IN 001/2016 da SEDEC/INDEA-MT, que é o período do ano durante o qual não pode haver plantas de algodoeiro com risco fitossanitário.

Os especialistas destacam na Circular Técnica que uma das principais formas de eliminação dos restos culturais do algodão é a química, através do uso de herbicidas. Segundo eles, no estado aproximadamente 70% da soqueira do algodoeiro é destruída de forma química, visto a agilidade e a necessidade de não se revolver o solo.

Os especialistas do IMAmt pontuam que a destruição química das soqueiras pode ser dividida em três métodos: Destruição iniciada no toco, Destruição no rebrotes e Destruição “planta em pé”.

Controle de tigueras

Conforme a Circular Técnica do IMAmt, existem hoje no mercado produtos disponíveis e com eficiência para a prática do manejo da tiguera. Os profissionais do IMAmt alertam ainda que a mesma deve ser realizada antes do estádio V3, que é o estádio de risco fitossanitário, e também devido à queda de eficiência dos produtos em estádios mais avançados.

Confira aqui a Circular Técnica do IMAmt nº 41/2019.

Relacionadas

IMAmt - Instituto Mato-Grossense do Algodão
Rua Engenheiro Edgard Prado Arze, 1777 - Ed. Cloves Vettorato - 2 andar Quadra 03 - Setor A - Centro Político Administrativo
CEP: 78049-015 - Telefone: (65) 3624-1840
Cuiabá - Mato Grosso - Brasil