Pesquisa e desenvolvimento de espécies oleaginosas no cerrado mato-grossense

Com um grande número de terras agricultáveis ociosas no cerrado mato-grossense no período de safrinha, aliado a crescente demanda por óleos vegetais para produção do biodiesel, fármacos, produtos genéricos, que substituam aos produtos derivados do petróleo, e as várias atuações dentro da indústria química, são os motivos que impulsionam a pesquisa de espécies oleaginosas conhecidas e não conhecidas fitotecnicamente, no cerrado mato-grossense.

Serão avaliados nos dez ambientes (Rondonópolis, Primavera do Leste, Nova Ubiratã, Poxoréo, Sinop, Cáceres, Acorizal, Jaciara, Juscimeira e Porto Alegre do Norte) do cerrado mato-grossense, em quatro épocas de cultivo safrinha (entre fevereiro e abril), as variedades, cultivares comum e híbridas de Girassol (Helianthus annus L.) e Mamona (Ricinus communis), variedades e cultivares comum de Amendoim (Arachis hypogaea L.), Canola (Brassica napus L. e Brassica rapa), Colza (Brassoca napus L.), Crambe (Crambe abyssinica), Cártamo (Carthamus tinctorius L.), Gergilim (Sesamum indicum), Linhaça (Linum usitatissimum), Nabo forrageiro (Raphanus sativus L.), Niger (Guizotia abyssinica), dentre outras, e espécies perenes como, Moringa (Moringa oleifera), Pinhão manso (Jatropha curcas L.), Dende (Elaeis guineensis, Jacq.) e outras espécies da família Palmaceae, as características agronômicas pertinentes ao cultivo, teores de proteína e fibras, contidas no grão, quantidade de massa seca produzida pela planta, avaliações quantitativa e qualitativa para característica, teor de óleo contido no grão, para todas as espécies, e também para genótipos, variedades, híbridos, e linhagens de Algodão (Gossypium hirsutum L.).

O objetivo do projeto é introduzir e prospeccionar aos diversos ambientes e épocas de cultivo safrinha, espécies oleaginosas potenciais para o fornecimento de óleo, sendo este, matéria prima na produção do biodiesel, indústria química, farmacológica, polímeros, aditivos, alimentação humana, e outros fins, selecionando as espécies e genótipos superiores através das características avaliadas, para servirem como materiais base, no programa de melhoramento de oleaginosas, com a finalidade de desenvolver novos cultivares superiores, específicos e adaptados as várias regiões do cerrado mato-grossense. Além das variáveis citadas anteriormente, será observado características anatômicas e morfológicas de raiz, condicionantes a reestruturação física e nutricional do solo, e a capacidade da cultura controlar o crescimento populacional de doenças e moléstias nocivas a cultura do algodão, soja e milho. Estas espécies oleaginosas fornecerão ao produtor mato-grossense opção de somar mais uma fonte de renda ao sistema produtivo, sem interferir no cultivo das culturas tradicionais da safra (verão), utilizando a tecnologia do cultivo dessas culturas tradicionais, para o cultivo das oleaginosas de safrinha.

Com mais opções de espécies para rotação de cultura, com o benefício da quebra do ciclo das pragas, doenças, ciclagem de nutrientes, adubação verde e proteção do solo contra os agentes intemperizantes.

Relacionadas

IMAmt - Instituto Mato-Grossense do Algodão
Rua Engenheiro Edgard Prado Arze, 1777 - Ed. Cloves Vettorato - 2 andar Quadra 03 - Setor A - Centro Político Administrativo
CEP: 78049-015 - Telefone: (65) 3624-1840

Cuiabá - Mato Grosso - Brasil

English English Portuguese Portuguese Spanish Spanish